DaVita Saúde

Neste espaço, você encontra informações importantes para se cuidar e manter o seu bem-estar e o de sua família, em forma de dicas preparadas pela nossa equipe médica.

Nossa intenção é compartilhar conhecimento e cuidados para a promoção da sua saúde, buscando contribuir nos seus cuidados diários e hábitos, ajudando, assim, a prevenir possíveis doenças.

Sexo

Quando o câncer de próstata pode ser apenas vigiado

Muitas vezes, o diagnóstico de câncer de próstata vem acompanhado de uma notícia, de certa forma, acalentadora quando a princípio não há necessidade de tratamento. É o que os especialistas chamam de vigilância ativa ou, ainda, de conduta expectante. Estudos internacionais dão conta de que cerca de 30% a 40% dos tumores prostáticos recebem essa abordagem no mundo, o que, veja bem, não significa não fazer nada. Esses pacientes são acompanhados muito de perto por seus médicos, com exame clínico da próstata por toque retal e testes laboratoriais, incluindo a dosagem de antígeno prostático específico – o PSA, aquele marcador de alterações na glândula – a cada três ou seis meses ou conforme definição personalizada, a fim de verificar se tudo permanece estável, além de biópsia e ressonância magnética também periódicas.  Com esse verdadeiro cerco ao tumor, qualquer mínima alteração pode ser flagrada e, assim, eventualmente implicar a mudança de conduta do oncologista ou do urologista que está à frente do seguimento. Dessa maneira, o paciente, sobretudo aquele homem com menos de 75 anos, em bom estado de saúde, é poupado das disfunções urinárias e sexuais que o tratamento acarreta por tempo variável.  Segundo os especialistas, pelo menos metade dos indivíduos que se enquadram nessa estratégia pode ficar em acompanhamento por aproximadamente 15 anos sem que surja alguma alteração que realmente justifique a instituição de uma terapia anticâncer ou cirurgia.  Ademais, quando levamos em conta que o tumor de próstata é uma doença que pode se desenvolver de modo mais lento, isso pode significar que parte dos indivíduos em vigilância ativa, especialmente os mais velhos, tem possibilidade de passar o resto da vida sem necessitar de intervenções terapêuticas por causa da doença – desde que, é claro, a lesão continue sem incomodar, assintomática.  Critérios bem definidos Contudo, existem critérios rigorosos para recomendar essa estratégia aos pacientes. Em primeiro lugar, o câncer deve ter lento desenvolvimento, ou seja, exibir um tecido muito próximo ao das células normais da glândula ao exame microscópico, além de apresentar tamanho pequeno e estar confinado à glândula. Já o valor do PSA no sangue precisa se encontrar abaixo de 10 ng/mL. E, claro, o paciente deve concordar em ser acompanhado dessa forma.  Muito embora já tenha sido demonstrado que tal conduta é segura, ou seja, não reduz as chances de cura nos homens com tumor que cresce no meio da vigilância, em comparação àqueles que preferiram tratar o câncer logo ao diagnóstico, alguns pacientes não toleram viver na ansiedade de repetir os testes e de temer os resultados ano após ano – o que é perfeitamente compreensível. Estes preferem se submeter ao tratamento, que costuma envolver cirurgia e radioterapia nos estágios iniciais do tumor. Atualmente, tem se recorrido a métodos cada vez mais modernos para amparar essa decisão com uma segurança ainda maior. Tais exames, aos quais o acesso ainda é limitado devido a seu alto custo, analisam um conjunto de genes relacionados com a organização e a proliferação celular e com a expressão de andrógenos, calculando, a partir disso, um escore para pontuar a agressivamente do tumor. Quanto mais baixa a pontuação, mais segura a indicação da vigilância ativa. De qualquer modo, mais importante do que qualquer recurso laboratorial é manter uma relação de confiança com o médico, que permita francas conversas sobre riscos e benefícios das diferentes condutas e, acima de tudo, possibilite que o paciente se sinta confortável – e seguro – com cada decisão.

09/11/2020
Sexo

Quando o câncer de próstata pode ser apenas vigiado

Muitas vezes, o diagnóstico de câncer de próstata vem acompanhado de uma notícia, de certa forma, acalentadora quando a princípio não há necessidade de tratamento. É o que os especialistas chamam de vigilância ativa ou, ainda, de conduta expectante. Estudos internacionais dão conta de que cerca de 30% a 40% dos tumores prostáticos recebem essa abordagem no mundo, o que, veja bem, não significa não fazer nada. Esses pacientes são acompanhados muito de perto por seus médicos, com exame clínico da próstata por toque retal e testes laboratoriais, incluindo a dosagem de antígeno prostático específico – o PSA, aquele marcador de alterações na glândula – a cada três ou seis meses ou conforme definição personalizada, a fim de verificar se tudo permanece estável, além de biópsia e ressonância magnética também periódicas.  Com esse verdadeiro cerco ao tumor, qualquer mínima alteração pode ser flagrada e, assim, eventualmente implicar a mudança de conduta do oncologista ou do urologista que está à frente do seguimento. Dessa maneira, o paciente, sobretudo aquele homem com menos de 75 anos, em bom estado de saúde, é poupado das disfunções urinárias e sexuais que o tratamento acarreta por tempo variável.  Segundo os especialistas, pelo menos metade dos indivíduos que se enquadram nessa estratégia pode ficar em acompanhamento por aproximadamente 15 anos sem que surja alguma alteração que realmente justifique a instituição de uma terapia anticâncer ou cirurgia.  Ademais, quando levamos em conta que o tumor de próstata é uma doença que pode se desenvolver de modo mais lento, isso pode significar que parte dos indivíduos em vigilância ativa, especialmente os mais velhos, tem possibilidade de passar o resto da vida sem necessitar de intervenções terapêuticas por causa da doença – desde que, é claro, a lesão continue sem incomodar, assintomática.  Critérios bem definidos Contudo, existem critérios rigorosos para recomendar essa estratégia aos pacientes. Em primeiro lugar, o câncer deve ter lento desenvolvimento, ou seja, exibir um tecido muito próximo ao das células normais da glândula ao exame microscópico, além de apresentar tamanho pequeno e estar confinado à glândula. Já o valor do PSA no sangue precisa se encontrar abaixo de 10 ng/mL. E, claro, o paciente deve concordar em ser acompanhado dessa forma.  Muito embora já tenha sido demonstrado que tal conduta é segura, ou seja, não reduz as chances de cura nos homens com tumor que cresce no meio da vigilância, em comparação àqueles que preferiram tratar o câncer logo ao diagnóstico, alguns pacientes não toleram viver na ansiedade de repetir os testes e de temer os resultados ano após ano – o que é perfeitamente compreensível. Estes preferem se submeter ao tratamento, que costuma envolver cirurgia e radioterapia nos estágios iniciais do tumor. Atualmente, tem se recorrido a métodos cada vez mais modernos para amparar essa decisão com uma segurança ainda maior. Tais exames, aos quais o acesso ainda é limitado devido a seu alto custo, analisam um conjunto de genes relacionados com a organização e a proliferação celular e com a expressão de andrógenos, calculando, a partir disso, um escore para pontuar a agressivamente do tumor. Quanto mais baixa a pontuação, mais segura a indicação da vigilância ativa. De qualquer modo, mais importante do que qualquer recurso laboratorial é manter uma relação de confiança com o médico, que permita francas conversas sobre riscos e benefícios das diferentes condutas e, acima de tudo, possibilite que o paciente se sinta confortável – e seguro – com cada decisão.

09/11/2020
Sexo

Como fica a função sexual após o tratamento do câncer de próstata?

Um dos grandes receios do homem que se submete ao tratamento do câncer de próstata, especialmente à cirurgia, é a perda da função sexual, também chamada de disfunção erétil, acompanhada ou não da incontinência urinária, que consiste na perda involuntária de urina, dois efeitos comuns, mas reversíveis, do pós-operatório. De acordo com os especialistas, hoje as técnicas cirúrgicas evoluíram bastante e permitem maior ampliação visual, liberdade de movimentos e precisão. Sobretudo a cirurgia robótica e a videolaparoscopia possibilitam ao cirurgião isolar os feixes de vasos sanguíneos e de nervos cavernosos e, assim, preservar ao máximo tanto o esfíncter da uretra, que controla as micções, quanto a capacidade de o homem ter ereção. Mesmo com os avanços, porém, pelo menos metade dos homens que passam pela prostatectomia costuma ter necessidade de um período variável de reabilitação para a retomada das funções temporariamente perdidas. Para recuperar plenamente a continência da urina, em geral se estimam de três a seis meses de fisioterapia e exercícios apropriados, que envolvem o períneo, estrutura que envolve a genitália e o ânus. Essa estratégia usualmente basta, mas, nos casos mais resistentes, é possível implantar um esfíncter artificial. Já o retorno das ereções depende de outros fatores, incluindo doenças preexistentes – diabetes, colesterol elevado e tabagismo, por exemplo – e fatores psicológicos. De qualquer modo, há um protocolo para reabilitar a função sexual, o qual começa com medicamentos orais para facilitar a entrada de sangue no pênis, uma espécie de fisioterapia medicamentosa, a fim de manter a oxigenação do pênis. Só com os fármacos, não raro a função sexual volta ao normal e, dessa forma, há homens que já conseguem retomar a vida depois do procedimento, desde que não aconteça nenhuma intercorrência, evidentemente. A única diferença é que, como não tem mais a próstata, o homem terá um orgasmo seco, sem líquido seminal. A mudança pode até ser incômoda no início, mas o único efeito prático disso é mesmo a infertilidade, sem impacto na sensação de prazer. Seguindo o protocolo, se os fármacos orais não derem certo, a próxima opção é a terapia com injeção de drogas vasodilatadoras, que o próprio homem pode aplicar no pênis logo antes do ato sexual. Caso isso ainda não dê certo, pode-se recorrer ainda a uma prótese peniana, o que, contudo, configura uma alternativa definitiva, não permitindo reversão. Vale salientar que as opções para a reabilitação da função sexual também envolvem a dinâmica do casal. Assim, a participação da companheira nesse momento do pós-tratamento deve ser considerada e encorajada.  Efeitos de outros tratamentos A radioterapia também pode afetar as ereções justamente porque a radiação emitida sobre a próstata pode causar lesões nos vasos que levam sangue até o pênis. Estima-se que um quarto dos homens que realizam essa modalidade de tratamento para combater o tumor prostático sinta diferença nas ereções e/ou tenha dificuldade para mantê-las. Contudo, os mesmos medicamentos usados no pós-operatório de prostatectomia podem ser tentados nos casos mais difíceis e, se não forem efetivos, seguidos de outras modalidades terapêuticas. Já a hormonioterapia mexe com a função sexual por bloquear a ação da testosterona no organismo. Sem o hormônio masculino em circulação, há perda de libido e consequente disfunção erétil. Nessa situação, no entanto, o efeito negativo sobre a atividade sexual pode cessar assim que a medicação for suspensa.

06/01/2020
Sexo

HIV e gestação: Uma vitória da vida sobre o vírus

Apesar das poucas formas de contrair o vírus HIV, a aids surgiu como uma ameaça letal nos anos 80, mas hoje é considerada uma doença crônica graças aos avanços da ciência. Isso significa que, mesmo sem ter uma cura, existe um tratamento eficaz, assim como acontece com o diabetes. A transmissão do HIV ocorre de diferentes formas, desde o contato com o vírus através de relações sexuais sem preservativo, passando pelo corte ou perfuração da pele por materiais cortantes contaminados, até em transfusões de sangue. Existe também a transmissão vertical, quando o bebê é infectado pela mãe, seja pela placenta, durante a gravidez, seja no parto, seja na amamentação. As duas primeiras contam com estratégias de prevenção já conhecidas e dependem muito de autocuidado. Nas demais, no entanto, quem está vulnerável ao HIV não tem escolha, embora as transfusões atualmente sejam muito mais seguras do que nos anos 80 e 90. Na gravidez, por sua vez, o bebê depende exclusivamente da responsabilidade da mãe para não ser infectado, pois há hoje um protocolo médico para diminuir ao máximo o risco de transmissão vertical. O fato é que o tratamento para aids, que já é bem-sucedido, também pode ser feito durante a gestação e, juntamente com outras medidas preventivas, reduz a possibilidade de infecção da criança para menos de 1%. Segundo o Programa Conjunto das Nações Unidas para Aids (Unaids), 82% das grávidas que vivem com o vírus no mundo tiveram acesso, no ano passado, aos medicamentos antirretrovirais que suprimem a quantidade de vírus, ou carga viral, no organismo, a ponto de torná-la indetectável no sangue.  Só na América Latina e no Caribe, quase 31 mil bebês nasceram sem HIV, entre 2010 e 2017, graças a esse protocolo. No Brasil, de 2007 a 2017, houve uma redução de 42% no número de casos de transmissão vertical de HIV, apesar de ter ocorrido, nesse mesmo período, um crescimento de 21,7% no número de gestantes infectadas. Como a transmissão vertical pode ser evitada A gestante soropositiva precisa aderir de forma integral à terapia antirretroviral ao longo de toda a gravidez para que o HIV fique indetectável na circulação. Essa estratégia impede a transmissão durante a gestação e pode, inclusive, liberar o parto normal, muito embora essa opção dependa também de outros fatores clínicos – tudo vai depender do momento em que a mulher se descobre soropositiva. Por isso, quanto antes o pré-natal se inicie, mais chances existem de diminuir a quantidade de vírus circulando no organismo materno. Na hora do trabalho de parto ou pouco antes da cesárea, de qualquer modo, a mãe recebe o antirretroviral zidovudina (AZT) por via endovenosa e, logo após o nascimento, o mesmo medicamento também é administrado à criança por via oral – tudo com a finalidade de minimizar a contaminação do bebê, que, afinal, sempre acaba exposto ao sangue materno ao nascer, mesmo na cesárea. No caso de a mulher não ter feito tratamento contra o HIV no pré-natal, ou ter apresentado carga viral igual ou superior a 1.000 cópias/mL no último trimestre gestacional, o esquema preventivo para o recém-nascido também conta com mais um antirretroviral, a nevirapina. Independentemente dos fármacos usados, o tempo de duração desse tratamento varia de quatro a seis semanas.  Como o bebê carrega os anticorpos anti-HIV da mãe nos primeiros meses após nascer, o exame que indica uma eventual contaminação nos primeiros meses só pode ser o referente à carga viral, e não o teste sorológico clássico, que vai se mostrar positivo nesse momento. A determinação da quantidade de vírus deve ser feita de duas a três vezes entre o primeiro e o segundo mês, ou conforme orientação pediátrica. Havendo dois resultados com vírus detectáveis, considera-se a criança infectada e, até os 12 meses, inicia-se o tratamento, qualquer que seja o valor da carga de vírus e da contagem de CD4. Após os 12 meses, a decisão de começar a terapia antirretroviral varia conforme o quadro clínico e o resultado desses exames. O fato é que o período pós-parto é igualmente decisivo para completar o esquema de combate à transmissão vertical. Mas nem todas as famílias prosseguem em acompanhamento. Conforme dados do Unaids, do 1,1 milhão de bebês expostos ao HIV no ano passado nos 23 países mais afetados por HIV, só 63% foram testados até os 2 meses de idade.  Mesmo com carga viral indetectável, o seguimento pediátrico precisa continuar porque a resposta definitiva de que o bebê não tem mesmo o vírus só vem após 18 meses. Se a sorologia estiver positiva depois desse período, o diagnóstico de HIV fica confirmado e o tratamento com antirretrovirais também é realizado conforme o estado do paciente e os resultados da carga viral e da contagem de CD4, célula de defesa que é o principal alvo do HIV – quanto maior sua quantidade, menor o comprometimento imunológico e a vulnerabilidade às complicações do vírus.   Vale lembrar que, como o HIV também pode ser transmitido pelo aleitamento, a amamentação é totalmente contraindicada para soropositivas, mesmo que o vírus não possa ser detectado no sangue. No Brasil, desde 1999, crianças nascidas de mães que vivem com HIV têm direito a uma fórmula láctea em quantidade suficiente para sua alimentação ao menos até 6 meses de idade. A mulher, por sua vez, recebe medicamento para inibir a lactação. Pré-natal é tudo no combate ao HIV em crianças Para impedir a transmissão vertical, portanto, fica claro que a gestante deve ser muito bem acompanhada ao longo dos nove meses de gestação e, evidentemente, necessita de apoio e muita informação quando o bebê nasce, de forma que não se afaste do serviço médico.  Para começar, o ideal mesmo é fazer o teste de HIV ainda no planejamento familiar, juntamente com o parceiro. Dessa forma, se soropositiva, a mulher pode procurar engravidar já com a carga viral indetectável e, portanto, com o menor risco possível para o bebê.  Como isso muitas vezes não acontece na prática, é imprescindível agilizar o pré-natal quanto antes. O teste de HIV é pedido logo na primeira consulta e, se vier negativo, é repetido também no último trimestre gestacional, de forma que a equipe médica se certifique de que pode abrir mão dos cuidados durante o parto e após o nascimento. Se o exame for positivo no início, a gestante deve usar os antirretrovirais indicados pelo médico e realizar a quantificação carga viral, já que o objetivo do tratamento é tornar a quantidade de vírus indetectável no sangue, e a contagem de CD4. São ainda feitos testes das funções renal e hepática, que requerem acompanhamento por conta do uso desses medicamentos. No mais, o pré-natal é exatamente o mesmo de qualquer grávida. Saber-se portadora do HIV logo no começo da gestação pode, evidentemente, ser uma notícia difícil para a mulher, mas é a maneira mais efetiva de proteger o bebê desse vírus tão devastador na infância e de outros agentes transmitidos sexualmente, como o Treponema pallidum, que causa a sífilis congênita, uma doença bastante grave pelas sequelas que pode causar à criança nascida de mães não tratadas.  Dê a maior prova de amor a seu bebê antes mesmo de ele ser concebido. Aconselhe-se com seu ginecologista para planejar a gravidez e, acima de tudo, faça o pré-natal, seguindo rigorosamente as instruções de seu obstetra. Em busca do fim da transmissão vertical de HIV De 2008 a 2017, 1,6 milhão de crianças deixaram de ser infectadas globalmente graças ao tratamento antirretroviral na gravidez, no parto e logo após o nascimento, segundo o Unaids. Mas ainda há muito a ser feito. Só no ano passado, 160 mil crianças no mundo receberam o diagnóstico de aids. Acabar com a possibilidade de contaminação de quem não tem escolha para se defender é a meta da Organização Mundial de Saúde (OMS), que vem reconhecendo os países que eliminam essa forma de transmissão. Na prática, a OMS concede uma certificação às nações que reduzem as taxas de transmissão vertical a níveis inferiores a 2% – ou dois casos de HIV em crianças a cada 100 gestantes infectadas. Cuba foi o primeiro país a receber o documento, seguida por Tailândia, Armênia e Moldávia. No Brasil, com suas dimensões continentais, por enquanto apenas três municípios com mais de 100 mil habitantes – condição para receber o reconhecimento – conseguiram atingir esse objetivo: Curitiba e Umuarama, ambos no Paraná, e, mais recentemente, São Paulo. Já é um começo.

01/08/2019
Sexo

Hepatites virais: o que são? Como prevenir

O fígado tem múltiplas funções. Produz a bile, que ajuda a digerir gorduras, armazena glicose, sintetiza colesterol, dá cabo de glóbulos vermelhos envelhecidos, fabrica e metaboliza proteínas, atua na defesa contra agentes patogênicos e ainda desintoxica o organismo. Não por acaso, os problemas que o acometem configuram motivo de preocupação entre os médicos, pelo desequilíbrio sistêmico que podem gerar, e também entre as autoridades sanitárias, por sua alta incidência e elevada taxa de mortalidade.  Entre as doenças hepáticas mais comuns estão as hepatites virais, que consistem numa inflamação causada pelos vírus HAV, HBV, HCV, HDV, ou delta-vírus, e HVE. No Brasil, somando todos esses agentes, foram registrados nada menos que 40,1 mil casos de hepatite em 2017, segundo dados do Ministério da Saúde.  Embora o prognóstico seja muito distinto entre as hepatites virais, todas apresentam sintomas semelhantes, evidentemente quando estes se manifestam, tais como vômitos, enjoo, tontura, cansaço, febre, mal-estar, pele e olhos amarelados – condição conhecida como icterícia –, dor no abdome, fezes claras e urina escura. Contudo, o quadro pode passar despercebido ou mesmo ser confundido com o de outras viroses que afetam o aparelho digestório.  Para ter uma ideia, 7,2 milhões de pessoas carregam o vírus da hepatite C nas Américas, mas três em cada quatro delas desconhecem estar infectadas, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde. Não por acaso, a doença causada pelo vírus HCV é a mais letal, inclusive no Brasil, apesar de hoje contar com um tratamento bem avançado. O fato é que só é possível saber exatamente o agente envolvido por meio de exames de sangue, uma informação essencial para o médico planejar a estratégia terapêutica e evitar o comprometimento hepático que ocorre quando a hepatite se torna crônica. Conforme dados da Organização Mundial de Saúde, 1,75 milhão de pessoas morrem a cada ano em todo o globo em decorrência de complicações dessas doenças, em particular as provocadas pelo HBV e pelo HCV. Se você não sabe se já teve contato com algum vírus da hepatite, converse com seu médico para fazer a testagem e, se preciso, adote as medidas necessárias para se tratar e se prevenir quanto antes. Três das cinco hepatites virais mais comuns podem ser evitadas por vacinas.   Saiba como é feito o tratamento de cada hepatite   Hepatite A:geralmente se cura espontaneamente, com o surgimento dos anticorpos após algumas semanas do início dos sintomas, requerendo só repouso e dieta para a melhora do estado geral. Mesmo assim requer atenção médica especializada. Em casos muito raros, o HAV pode causar uma hepatite fulminante e insuficiência hepática grave.  Hepatite B: também costuma ser naturalmente debelada pelo organismo, com os mesmos cuidados, mas, em uma parcela de casos, pode se tornar crônica, de modo silencioso, e não tem cura. Esses pacientes precisam de seguimento clínico frequente e, ao longo da vida, de medicamentos para controlar a multiplicação do HBV, bem como para evitar prejuízo às células hepáticas. Na falta de tratamento para essa forma da doença, há risco de cirrose hepática, com substituição do tecido hepático saudável por áreas de fibrose – como cicatrizes –, que impedem o fígado de exercer suas funções, e de câncer de fígado.  Hepatite C: em, pelo menos, 80% dos casos, a doença fica crônica e, dada a presença constante do agente no fígado, com risco de surgimento de áreas de fibrose e câncer. Até pouco tempo, era tratada com uma combinação de medicamentos, usados conforme o genótipo do HCV. Recentemente, surgiram antivirais de ação direta, que inibem enzimas essenciais para o vírus se multiplicar e têm sido associados às demais opções terapêuticas, elevando a possibilidade de cura para mais de 90%. O grande problema da hepatite C, e que faz dela uma das mais perigosas, é o fato de as pessoas não saberem que carregam o vírus. Hepatite D (delta): esse agente depende da preexistência do HBV para se estabelecer. Quando a infecção aguda ocorre simultaneamente, não há tratamento específico, mas apenas a necessidade de fazer repouso e dieta até que o organismo consiga eliminar os dois patógenos. Contudo, se o indivíduo já tem a forma crônica da hepatite B e adquire o vírus delta, a doença assume um caráter mais grave, exigindo combinações de medicamentos para controlar a replicação de ambos os vírus. Mais frequente no Norte do Brasil, a hepatite D é a principal causa de cirrose hepática em crianças e adultos jovens na região amazônica.  Hepatite E: também se cura de modo espontâneo, tão logo o organismo tenha desenvolvido defesas contra o HEV. Da mesma forma que nas demais, pede dieta e repouso para o completo restabelecimento do paciente.   De onde vem e como prevenir cada hepatite Hepatite Formas de transmissão Dicas para a prevenção A - Contato direto com indivíduos contaminados (o vírus sobrevive até quatro horas nas mãos das pessoas)- Ingestão de água ou alimentos contaminados com material fecal contendo o vírus- Relações sexuais desprotegidas (pelo contato com resíduos de fezes imperceptíveis a olho nu) - Tome a vacina contra a hepatite A. - Cuide de sua higiene pessoal, especialmente após usar o banheiro e antes das refeições ou de cozinhar, assim como antes das relações sexuais. - Higienize adequadamente alimentos que serão consumidos crus. - Não coma frutos do mar malcozidos, sobretudo mariscos e ostras.- Não consuma carne de porco crua ou malcozida. - Só tome água clorada ou fervida em locais sem saneamento básico.- Não coma nem beba nada de procedência desconhecida. B - Relações sexuais desprotegidas- Da mãe para o filho durante a gestação, o parto ou a amamentação- Compartilhamento de instrumentos de corte (seringas e agulhas, lâminas de barbear e depilar, materiais para confecção de tatuagem e colocação de piercings)- Transfusão de sangue (rara no Brasil por conta do alto controle de qualidade dos bancos de sangue) - Tome a vacina contra a hepatite B. - Use preservativo em todas as relações sexuais. - Não compartilhe objetos de uso pessoal nem materiais perfurocortantes. - Não se exponha a situações de risco, como uso de álcool e drogas de abuso, que prejudicam a capacidade de julgamento e impedem o autocuidado. - Caso esteja grávida, faça o pré-natal para evitar a transmissão da doença ao bebê. C - Transfusão de sangue (comum antes dos anos 90, mas hoje rara no Brasil por conta do alto controle de qualidade dos bancos de sangue)- Compartilhamento de instrumentos de corte (seringas e agulhas, lâminas de barbear e depilar, materiais para confecção de tatuagem e colocação de piercings)- Da mãe infectada para o filho durante a gravidez (mais rara)- Relações sexuais desprotegidas (rara) - Não compartilhe objetos de uso pessoal nem materiais perfurocortantes.- Não se exponha a situações de risco, como uso de álcool e drogas de abuso, que prejudicam a capacidade de julgamento e impedem o autocuidado. - Caso esteja grávida, faça o pré-natal para evitar a transmissão da doença ao bebê.- Use preservativo em todas as relações sexuais. D - Relações sexuais desprotegidas- Da mãe para o filho durante a gestação, o parto ou a amamentação- Compartilhamento de instrumentos de corte (seringas e agulhas, lâminas de barbear e depilar, materiais para confecção de tatuagem e colocação de piercings)- Transfusão de sangue (rara no Brasil por conta do alto controle de qualidade dos bancos de sangue) - Vacine-se contra a hepatite B, pois o delta-vírus é incompleto e depende do antígeno de superfície do HBV para se multiplicar.- Use preservativo em todas as relações sexuais. - Não compartilhe objetos de uso pessoal nem materiais perfurocortantes.- Não se exponha a situações de risco, como uso de álcool e drogas de abuso, que prejudicam a capacidade de julgamento e impedem o autocuidado. E - Ingestão de água ou alimentos contaminados com material fecal contendo o vírus - Cuide de sua higiene pessoal, especialmente após usar o banheiro e antes das refeições e de cozinhar, assim como antes das relações sexuais. - Higienize adequadamente alimentos que serão consumidos crus. - Não coma frutos do mar malcozidos, sobretudo mariscos e ostras. - Não consuma carne de porco crua ou malcozida. - Só tome água clorada ou fervida em locais sem saneamento básico.- Não coma nem beba nada de procedência desconhecida. Fonte: Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, HIV/Aids e Hepatites Virais.