Consulte nossos médicos.

Realize seu atendimento em um único lugar.

Agende agora

Agendamento

Caro paciente, caso você encontre qualquer problema ou instabilidade com seu agendamento, favor entrar em contato com nossa Central (3003-8482) ou envie um e-mail para contatodsm@davita.com

Estamos a seu lado durante toda sua jornada de saúde.

CONSULTAS E SERVIÇOS

Oferecemos diversas especialidades de saúde em um só lugar.


UNIDADES

Encontre a unidade DaVita mais próxima de você. Nossa rede conta atualmente com 15 unidades na Grande SP.

EXAMES

Nas unidades DaVita você tem à sua disposição coleta de exames laboratoriais e exames de imagem.

Pronto Atendimento

O Pronto Atendimento está disponível em todas as unidades DaVita Serviços Médicos.
Saiba mais e descubra qual é a mais próxima e seu horário de funcionamento.

Saiba mais

Somos DaVita

A DaVita Serviços Médicos propõe um modelo inovador no atendimento e prestação de serviços em saúde. Oferecemos serviços integrados e coordenados. Esse é o nosso jeito especial de cuidar de você.

Saiba mais

DaVita Saúde

Acompanhe o nosso Espaço DaVita Saúde e fique por dentro das informações e curiosidades,
além de dicas de prevenção sobre a sua saúde.

19/08/2019
Alimentação

Conheça dez benefícios de amamentar

O leite materno tem tudo de que o bebê precisa para ficar saudável e bem alimentado. Mas os benefícios de amamentar vão ainda mais longe. A DaVita selecionou uma dezena de motivos para as mães se dedicarem com afinco a essa nobre tarefa, pelo maior tempo possível. Afinal, quanto mais meses de amamentação, melhores os resultados para todo o núcleo familiar. Não custa lembrar que a Organização Mundial de Saúde recomenda o aleitamento materno até 2 anos de idade ou mais, com exclusividade nos primeiros seis meses e, depois, com o complemento de outros alimentos. Permite que o bebê ganhe peso na medida certa e que a mãe perca peso. Segundo os especialistas, para produzir um litro de leite, o organismo da mulher gasta cerca de 700 calorias, o que contribui para a perda dos quilos adquiridos durante a gestação num ritmo acelerado. Já o bebê tem um ganho de peso adequado com o leite materno, nada a mais, nada a menos. Isso ocorre porque a quantidade de gordura do alimento varia durante a amamentação e chega a seu ponto máximo perto do fim de cada mamada, saciando a criança e levando-a a parar naturalmente, ao contrário do que ocorre com as fórmulas artificiais – a saciedade pode demorar mais para ocorrer, fazendo o bebê mamar além do necessário porque o nível de gordura é sempre o mesmo. Protege a criança contra alergias, infecções respiratórias e diarreias. Por conter inúmeros fatores imunológicos que atuam contra agentes infecciosos e ajudam a evitar respostas inflamatórias exageradas – as reações alérgicas –, o leite materno literalmente funciona como um elixir de prevenção para o bebê. Conforme um estudo da Organização Mundial de Saúde, a redução de diarreias em crianças amamentadas, em comparação com as não amamentadas, chega a 63% nas menores de 6 meses, enquanto a redução de pneumonias alcança um terço naquelas com menos de 2 anos. A chance de desenvolver rinite alérgica também cai 21% nos cinco primeiros anos de vida de quem mama no peito. Contribui com o desenvolvimento intelectual da criança. O leite materno é composto de substâncias que ajudam os neurônios a se desenvolverem e a fazerem conexões entre si, ou sinapses, nos três primeiros anos de vida – ocasião em que 90% das sinapses cerebrais de um indivíduo ocorrem. Estudos neozelandeses e irlandeses também mostram que crianças amamentadas exclusivamente até os 6 meses de idade apresentam melhor desempenho escolar. Semelhante conclusão foi encontrada em um trabalho publicado na revista científica Lancet, em 2015. Crianças e adolescentes que receberam leite materno demonstraram um resultado no teste de quociente de inteligência (QI) 3,4 pontos maior que o dos não amamentados.  Ajuda a prevenir diabetes tipo 2, sobrepeso e obesidade nas diferentes etapas da vida. Crianças que mamam no peito têm uma redução de 26% no risco de ficar com sobrepeso ou obesidade na infância, na adolescência e na vida adulta, assim como uma diminuição de 35% no risco de desenvolver diabetes tipo 2 ao longo dos anos, segundo um estudo publicado em 2015 no suplemento científico Acta Paediatrica. Quando submetido a aleitamento exclusivo até os 6 meses de idade, o bebê não ingere calorias extras, que são dispensáveis nessa fase do desenvolvimento infantil, e não ganha mais peso do que deveria. Ademais, o leite materno possui substâncias que contribuem para regular o apetite e o metabolismo dos alimentos por toda a vida. Ajuda a fortalecer a mandíbula e demais estruturas craniofaciais do bebê. A amamentação é essencial para o desenvolvimento oral e facial dos pequenos. Isso porque, ao sugar o leite, o bebê exercita a boca, os dentes, os músculos da face, a mandíbula e o maxilar. De acordo com um estudo publicado em 2015 no Acta Paediatrica, dois terços das irregularidades nos encaixes dos dentes de leite poderiam ser evitados apenas com o aleitamento materno. Em outro trabalho, que saiu no jornal BMC Public Health, em 2012, os pesquisadores observaram que crianças que receberam leite materno por 12 meses ou mais apresentaram melhor função da mastigação que as amamentadas por menos tempo. Ajuda a mulher a se recuperar no pós-parto e funciona como método anticoncepcional temporário. O aleitamento materno contribui para que o útero reassuma seu tamanho normal de forma mais rápida, evitando sangramentos muito intensos e uma consequente anemia. Como se não bastasse, ao amamentar exclusivamente e de forma regular nos primeiros seis meses, a mulher não ovula nem menstrua. Contudo, à medida que as mamadas vão sendo espaçadas, por conta da alternância com outros alimentos, os ciclos menstruais retornam, juntamente com a necessidade de usar um método contraceptivo caso não haja o desejo de uma nova gravidez. Vale pontuar que especialistas recomendam 18 meses de intervalo entre dois partos. Um parto antes desse período apresenta riscos de prematuridade, baixo peso ao nascimento e desenvolvimento abaixo do normal dentro do útero.  É fator de proteção contra o câncer de mama e outros tumores femininos. Uma vez que não tem ciclos menstruais durante a amamentação exclusiva, a mulher não fica exposta ao estrógeno, hormônio associado ao câncer de mama. Além disso, quando o bebê suga o leite, promove uma esfoliação do tecido mamário, contribuindo para a renovação celular local. De fato, conforme um grande estudo publicado pela Lancet em 2001, que envolveu mais de 146 mil mulheres de 30 países, o risco de desenvolver o tumor de mama cai 4,3% a cada 12 meses de aleitamento. Quanto mais filhos amamentados, portanto, maior a proteção. Em outro trabalho publicado pela Lancet em 2016, os autores calcularam que a amamentação evita 19 mil mortes por câncer de mama a cada ano em 75 países de média e baixa renda, além de terem estimado que mais 22 mil mortes poderiam ser prevenidas se o aleitamento se prolongasse por 12 meses, nas nações mais ricas, e por 24 meses, nas mais pobres. A prática ainda constitui um fator protetor contra o câncer de ovário – estima-se uma redução de 2% no risco da doença a cada mês de amamentação – e contra o câncer de endométrio (mucosa que recobre a parte interna do útero).  Reduz o risco de diabetes tipo 2 na mulher. Para fabricar o leite, o organismo retira diariamente 50 gramas de açúcar da circulação. A mulher que amamenta também tem um expressivo gasto calórico para amamentar. Por fim, existem evidências de que a prolactina, o hormônio que circula no corpo durante a fase de aleitamento, preservaria as células betapancreáticas, justamente as que fabricam insulina, o hormônio encarregado de captar a glicose da circulação e nutrir as células. A combinação desses mecanismos ajuda a explicar por que o risco de desenvolver diabetes tipo 2 cai quase pela metade nas mulheres que amamentam por pelo menos seis meses, de acordo com os achados de um estudo publicado no jornal Jama Internal Medicine, o qual acompanhou 1.238 mulheres por 30 anos. Constrói laços de afeto entre mãe e bebê. Durante a amamentação, o vínculo entre a mãe e bebê aumenta por conta do contato visual e da pele entre ambos. Como a criança tem dificuldade para focar imagens a distância, a posição em que fica na hora da mamada, a cerca de 30 centímetros do rosto materno, permite que contemple perfeitamente a mãe, o que contribui para fortalecer esse laço. O afeto cresce também porque, quando o bebê está mamando, o leite é ejetado por ação da ocitocina, o hormônio do amor, cuja liberação causa profundo relaxamento e boas sensações na mulher. Os especialistas afirmam que esse vínculo colabora para facilitar as relações dos pequenos com outras pessoas no futuro. Economiza dinheiro e recursos naturais. Já pensou nisso? Há pesquisas da Associação Americana de Pediatria que indicam que mães que amamentam exclusivamente nos primeiros seis meses de vida do bebê deixam de gastar mil dólares entre compra de fórmulas infantis e mamadeiras. Isso no âmbito pessoal. Mas, no público, um estudo publicado na Lancet em 2016, apontou que um aumento de apenas 10% nas taxas de aleitamento materno até os 6 meses de idade ou de amamentação continuada por até 12 ou 24 meses seria capaz de reduzir em 1,8 milhão de dólares os custos anuais dos tratamentos de doenças em crianças no Brasil. Além de fazer diferença nas contas da saúde pública, toda essa economia geraria impacto positivo ao meio ambiente, na medida em que os resíduos de latas de leite, mamadeiras, medicamentos e insumos médicos usados em internações deixariam de existir com a prática do aleitamento nessas condições. Portanto, amamentar também é uma prática sustentável.

Saiba Mais
19/08/2019
Prevenção

Esclerose múltipla: diagnóstico, sintomas, tratamento

Muita gente que nem chegou perto da meia-idade anda numa rotina tão extenuante de trabalho e demandas pessoais que, diante qualquer sintoma diferente, mas passageiro, acha que tudo provém do estresse. Está certo que uma parte pode até resultar das atribulações do dia a dia, porém nem tudo. Há sintomas que realmente precisam ser valorizados. Aí reside a dificuldade que envolve a esclerose múltipla, uma doença neurológica crônica e autoimune, na qual o sistema imunológico ataca a bainha de mielina que envolve os axônios, as fibras nervosas responsáveis pela condução dos impulsos elétricos, provocando lesões no cérebro, no nervo óptico e na medula espinhal. Na maioria dos casos, a afecção ocorre em surtos – forma remitente-recorrente –, mas ela pode ser também progressiva. O problema é que a doença, que afeta 2,5 milhões de pessoas ao redor do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde, começa com sintomas muito sutis, como uma turvação na visão, uma fraqueza nas pernas ou um pequeno descontrole urinário, que surgem a qualquer instante, sem que estejam associados a evento algum, e desaparecem rapidamente, em alguns dias. Daí a possibilidade de essas queixas efêmeras não receberem atenção ou de, por exemplo, serem associadas a uma semana mais desgastante. O quadro pode perdurar assim, mais leve, por dois a três anos até evoluir de modo mais exuberante. De acordo com a Academia Brasileira de Neurologia, quase metade das manifestações clínicas iniciais inclui sinais e sintomas medulares, como os que envolvem fraqueza nas pernas, formigamento, disfunção sexual e incontinência urinária. Além disso, cerca de 20% começam com problemas visuais, como visão embaçada, e uma menor parte, de 10%, com queixas relacionadas ao tronco cerebral, a exemplo de desequilíbrio, tonturas e falta de coordenação motora. O restante dos portadores tem uma combinação de todo o conjunto. Fadiga e transtornos de humor, como a depressão, também são frequentes. Com a evolução da esclerose múltipla, a perda da mielina compromete e até interrompe a transmissão de impulsos elétricos, fazendo com que essas manifestações ganhem magnitude, ainda que permaneçam aparecendo como surtos. Após 20 a 25 anos de diagnóstico, não raro o quadro culmina com uma incapacidade grave, que, segundo os especialistas, afeta até 90% dos pacientes. Medicamentos e terapias de apoio Isoladamente, os sintomas da doença podem ser confundidos com os de outras enfermidades neurológicas. Mas a forma como eles aparecem se mostra bem típica. Por isso, os neurologistas conseguem fazer o diagnóstico clinicamente, por meio do levantamento da história do paciente e do exame neurológico, no consultório, com o apoio de testes complementares, como a ressonância magnética de cérebro e a análise do líquido cefalorraquidiano, que banha o cérebro e a medula espinhal, entre outros. A doença ainda não tem cura, mas existe tratamento que visa a atenuar a intensidade dos sintomas e aumentar o espaço entre um surto e outro. Hoje, para prevenir a recorrência, usam-se imunomodulares e imunossupressores – que controlam e/ou reduzem a atividade do sistema imunológico para evitar os ataques à bainha de mielina –, bem como anticorpos monoclonais. Já os corticoides, administrados em altas doses, dão conta da redução dos sintomas durante as crises. De qualquer modo, o paciente não raro precisa de outros medicamentos sintomáticos para aliviar os problemas decorrentes da doença, como a incontinência urinária, bem como de fisioterapia, fortalecimento físico por meio de um programa de exercícios e apoio emocional. Até porque a doença afeta pessoas ainda jovens, sobretudo mulheres na faixa de 20 a 40 anos – ou seja, no auge da vida pessoal e profissional. A boa notícia é que o diagnóstico precoce ajuda muito a evitar os surtos e, portanto, a ter qualidade de vida, apesar de a iminência de um surto sempre existir. Na dúvida, converse com um neurologista quanto antes.

Saiba Mais
12/08/2019
Alimentação

O que fazer quando o bebê não quer mamar?

Ao longo da gravidez, a mulher recebe orientações sobre a importância de amamentar, já que o leite materno não apenas nutre o bebê, mas protege contra doenças, estimula o desenvolvimento cerebral e acalma a criança – além de ser extremamente conveniente para a mãe. Tudo perfeito na teoria, não fosse por um pequeno detalhe que pode acontecer logo após o nascimento: o bebê se recusa a mamar. O que fazer? Muita calma nessa hora. Segundo os especialistas, a criança chega ao mundo com uma reserva alimentar para os primeiros dois a três dias. Portanto, pode estar simplesmente cansada do esforço do parto, assim como a mãe. Nesse caso, o mais aconselhável é mesmo aconchegá-la e acalmá-la.  Mesmo assim, é preciso tentar de novo, quantas vezes forem necessárias. Em primeiro lugar, convém verificar se a pega está adequada. A criança tem de ficar virada de frente para a mãe, barriga com barriga, e ser estimulada a abrir a boca. Com a mão em formato de letra cê – e nunca com os dedos em forma de tesoura –, a mãe deve levar o peito à boca aberta da criança, de modo que ela abocanhe a aréola, justamente a parte em que há mais leite. Assim, o bebê não precisa fazer tanto esforço e mama sem machucar a mãe. Problemas e soluções para a hora de amamentar Mas pode não ser tão simples. Quanto mais a fome aumenta, mais o pequeno fica agitado – e, não raro, mais a mãe se desespera. Uma boa dica é ordenhar um pouco de leite num copinho bem pequeno – geralmente há desses utensílios na maternidade – e oferecer o líquido devagar na boca do bebê. E, então, recomeçar o processo. Com o estômago forrado, a chance de a mamada ser bem-sucedida cresce.  Outra possibilidade é a de o bebê não dar conta da rapidez com que o fluxo de leite jorra, apesar da fome. Nessa situação, ele começa a mamar e engasgar, acabando por ficar com medo de tentar de novo. Para evitar o desconforto, há necessidade de retirar um pouco do leite para que a ejeção não seja tão forte.   A obstrução do nariz por secreção também pode atrapalhar, assim como a falta de força para sugar. No primeiro caso, recomenda-se limpar as narinas do bebê antes da mamada e, no segundo, dar o leite ordenhado num copinho até que ele ganhe peso e fique mais forte. Bicos e chupetas não são recomendados, uma vez que podem atrapalhar a sucção. Se a criança conhecer a mamadeira, aumentará a probabilidade de ela não querer o peito. Vale ponderar que a recusa, quando acompanhada de sintomas como vômitos, diarreia e sonolência excessiva, entre outros, deve ser tratada como emergência médica, pois indica que o bebê pode estar doente.  Por outro lado, na ausência de sinais preocupantes, a persistência do insucesso não deve levar a mãe a desistir dessa empreitada tão importante para a saúde da criança. Hoje há consultores em amamentação e bancos de leite que podem ajudar. Acima de tudo, conte com o apoio do pediatra.

Saiba Mais