Telemedicina

Prezado paciente, para facilitar ainda mais o seu atendimento, oferecemos Telemedicina em diversas especialidades. Clique aqui e saiba mais!

Estamos a seu lado durante toda sua jornada de saúde.

CONSULTAS E SERVIÇOS

Oferecemos diversas especialidades de saúde em um só lugar.


UNIDADES

Encontre a unidade DaVita mais próxima de você. Nossa rede conta atualmente com 16 unidades na Grande SP.

EXAMES

Nas unidades DaVita você tem à sua disposição coleta de exames laboratoriais e exames de imagem.

Atendimento Imediato

O Atendimento Imediato está disponível em diversas unidades DaVita Serviços Médicos.
Saiba mais e descubra qual é a mais próxima e seu horário de funcionamento.

Saiba mais

Somos DaVita

A DaVita Serviços Médicos propõe um modelo inovador no atendimento e prestação de serviços em saúde. Oferecemos serviços integrados e coordenados. Esse é o nosso jeito especial de cuidar de você.

Saiba mais

DaVita Saúde

Acompanhe o nosso Espaço DaVita Saúde e fique por dentro das informações e curiosidades,
além de dicas de prevenção sobre a sua saúde.

22/10/2021
Saúde da Mulher

Benefícios da Mamografia

Desde que realizada periodicamente, a mamografia diminui a mortalidade por câncer de mama em 40% e até mesmo a incidência do tipo mais letal desse tumor.    Benefícios da Mamografia O câncer de mama é o segundo mais incidente entre as brasileiras, ficando atrás apenas do tumor de pele não melanoma. Até o fim deste ano, o Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que haverá 66,2 mil casos no Brasil.  A doença também responde pelo maior número de mortes por tumores malignos no sexo feminino em nosso país. De acordo com o Atlas de Mortalidade por Câncer, 18.295 mulheres morreram por essa causa em 2019.  Diferentemente de outros cânceres, cuja prevenção depende muito de mudanças no estilo de vida, o de mama ocorre com mais frequência à medida que a mulher envelhece – após a menopausa, a partir dos 50 anos – e está relacionado não apenas com fatores comportamentais, que podem ser modificados, mas também com fatores reprodutivos, hormonais e genéticos, sobre os quais quase sempre não há como interferir. Diagnóstico precoce Dessa forma, a estratégia que melhor funciona para salvar vidas femininas é a detecção precoce do tumor mamário, ou seja, quando a lesão ainda se encontra em estágio inicial e, por conseguinte, têm elevada probabilidade de cura.  Para essa finalidade, utiliza-se como triagem um exame chamado mamografia, uma espécie de radiografia das mamas que consegue reconhecer alterações milimétricas, sugestivas de câncer, antes mesmo que a paciente ou o médico percebam um nódulo pelo toque.  De acordo com o Inca, trata-se do único método diagnóstico com eficácia comprovada na diminuição da mortalidade por tumor mamário, desde que feita periodicamente, conforme orientação médica.  Para ter uma ideia, um estudo sueco publicado no ano passado na revista Cancer, da Associação Americana de Câncer, mostrou que, nas pacientes diagnosticadas com a doença, a realização de mamografias regulares reduziu a mortalidade por câncer de mama em 41% nos dez anos que se seguiram após o diagnóstico.  O levantamento, que analisou dados de 30% da população feminina sueca elegível para o estudo mamográfico, apontou que o exame ainda se provou útil para diminuir em 25% a incidência de tumor mamário avançado, o mais letal.  Início do rastreamento No Brasil, as entidades médicas, como a Sociedade Brasileira de Mastologia e o Colégio Brasileiro de Radiologia, recomendam iniciar o rastreamento periódico com mamografia preventiva a partir dos 40 anos de idade e o Ministério da Saúde, a partir dos 50 anos.  Como o exame precisa de pedido médico, na prática vale mesmo a prescrição do ginecologista ou mastologista consultado, até porque cada paciente traz um universo de fatores de risco (veja boxe). O intervalo até a próxima mamografia costuma ser de um ano, mas é possível que seja menor, dependendo dos achados do último exame.  A mamografia pode incomodar um pouco, o que varia muito de mulher para mulher, conforme a densidade da mama, principalmente, mas não chega a doer. Para aquelas que estão em idade reprodutiva, recomenda-se agendar o exame após o período menstrual para torná-lo menos desconfortável, uma vez que as mamas ficam doloridas antes e durante a menstruação.  Marque aqui sua consulta com ginecologista ou mastologista e mantenha seu rastreamento mamográfico em dia.    Boxe Fatores de risco para o câncer de mama   Ambientais e comportamentais: - Obesidade e sobrepeso - Inatividade física - Consumo de bebidas alcoólicas - Exposição frequente à radiação (proveniente de tratamentos ou exames) - Tabagismo   Reprodutivos e hormonais - Primeira menstruação antes dos 12 anos - Primeira gravidez após os 30 anos - Não aleitamento - Ausência de gestações - Uso de anticoncepcionais hormonais - Uso de terapia de reposição hormonal por mais de cinco anos   Genéticos e hereditários - História familiar de câncer de ovário - História de parentes com câncer de mama antes dos 50 anos - História de homens com câncer de mama na família - Presença de mutações em genes associados ao tumor de mama, sobretudo BRCA1 e BRCA2

Saiba Mais
18/10/2021
Criança

Dislexia: Salada de Letras

Transtorno de aprendizagem hereditário, a dislexia precisa ser identificada e tratada precocemente para evitar prejuízos à plena formação da criança.   Dislexia: Salada de Letras O que personalidades de áreas diferentes como o piloto de fórmula 1 Lewis Hamilton, o cofundador da Apple, Steve Jobs, o ator Tom Cruise, o chef Jamie Oliver, a atriz Jennifer Aniston e o ator, dramaturgo e escritor Pedro Cardoso têm em comum? Todos sofreram com algum grau de dislexia, um transtorno de aprendizagem caracterizado pela dificuldade de aprender e realizar a leitura e a escrita, que afeta até 17% da população mundial, segundo a Associação Internacional de Dislexia.  Causado por uma alteração cromossômica, transmitida de forma hereditária numa mesma família, o problema incide mais em meninos que em meninas e não tem nada a ver com atraso mental ou baixa inteligência – pelo contrário, trata-se de pessoas extremamente criativas. Em geral, é suspeitado justamente na idade escolar, quando a criança demora a decolar na alfabetização (veja os demais sintomas no boxe), mas acontece de os casos serem flagrados entre adolescentes e até em adultos. Na prática, o cérebro do portador desse distúrbio não consegue associar adequadamente os sons às letras, comprometendo o encadeamento das sílabas e a formação das palavras, tampouco faz a necessária correspondência entre os conceitos e símbolos matemáticos e seu significado. Dessa maneira, a criança acaba restringindo sua experiência de leitura, o que interfere na ampliação do vocabulário e na obtenção de novos conhecimentos.    Reconhecimento Evidentemente, é preciso excluir outras condições de saúde antes de confirmar a hipótese de dislexia, a exemplo de deficiências visuais, como erros de refração, algum grau de perda auditiva, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, escolarização insuficiente, condições neurológicas e problemas emocionais, psicológicos e socioeconômicos que possam comprometer a aprendizagem. Por tudo isso, um possível caso de dislexia requer a avaliação de uma equipe multidisciplinar, composta de pediatria, neurologista, psiquiatra, terapeuta ocupacional, psicólogo, fonoaudiólogo e psicopedagogo. Quanto mais cedo a condição for reconhecida, mais precocemente o tratamento pode ser iniciado para assegurar que a criança tenha um bom aprendizado e, assim, consiga apresentar um desenvolvimento adequado nos estudos e na vida profissional, reduzindo as chances de haver impactos no seu equilíbrio emocional.      Suporte especializado Não existe prevenção, tampouco remédios para dislexia. O tratamento exige acompanhamento fonoaudiológico e psicológico, com exercícios para superar as dificuldades de codificar e decodificar os símbolos gráficos e outros empecilhos da rotina de aprendizagem. A psicoterapia tem igualmente um papel fundamental para trabalhar a autoestima da criança.  Além disso, vale investir em facilidades hoje oferecidas pela tecnologia. Entre elas, há, por exemplo, videogames para treinar as habilidades de leitura e escrita de forma lúdica e livros para escutar (audiobooks), que permitem a associação entre sons e palavras. Em paralelo, os especialistas recomendam que esse grupo de crianças tenha sua já marcada criatividade estimulada por artes, música e esportes. A abordagem da dislexia é um processo longo, que exige persistência de pais e educadores, mas dá bons resultados. Comece tendo uma conversa com o pediatra. Marque agora uma consulta com a equipe de Pediatria da DaVita.   Boxe Sintomas clássicos da dislexia na infância  Dificuldade na aquisição e na automatização da leitura e escrita Baixa compreensão do conteúdo de uma leitura Dificuldade para identificar fonemas e fazer sua associação com as letras Troca, inversão, omissão ou acréscimo de letras e sílabas à escrita Dificuldade para estudar e copiar a lição de livros e da lousa Dificuldade para memorizar a tabuada, reconhecer símbolos e conceitos matemáticos Dificuldade para aprender rimas e canções Dispersão e falta de atenção Desinteresse por livros e outros materiais que contenham texto Falta de coordenação motora Desorganização temporal e espacial

Saiba Mais
27/09/2021
Saúde da Mulher

Fisiatria: Tudo pela reabilitação

Em parceria com uma equipe multidisciplinar, o médico fisiatra trabalha para mitigar as repercussões de doenças agudas ou crônicas nas atividades diárias do paciente.  Fisiatria: Tudo pela reabilitação   Imagine que você teve um problema sério no ombro, por exemplo, uma ruptura nos músculos que recobrem a cabeça do úmero e permitem que façamos rotações diversas com os braços. O tratamento reparador para essa condição é cirúrgico, porém, de acordo com as condições de cada indivíduo, caso a opção seja o tratamento conservador,  o  Fisiatra fará o planejamento e condução do tratamento, visando reintegrar o paciente social e funcionalmente, sendo então, o médico clínico responsável pela reabilitação dos pacientes após quaisquer doenças que possam causar incapacidades temporárias ou permanentes. O fisiatra trata de patologias ortopédicas como a citada no ombro, problemas  de coluna e extremidades por desgaste natural, e sequelas por lesões mais severas como acidente vascular cerebral, paralisia cerebral e lesão na medula espinhal, entre outras, causando incapacidades permanentes. Diante desses desafios clínicos, o fisiatra tem um importante papel no sentido de buscar uma forma de reabilitação para que a pessoa possa conviver com as sequelas  buscando desenvolver suas capacidades com menor impacto funcional e social possível. Portanto, além de complementar o tratamento-padrão de muitas doenças, esse especialista pode indicar, nessas situações clínicas, o uso de órteses para melhor posicionamento dos membros; próteses para substituir membros amputados, e  recursos auxiliares de locomoção, como muletas, bengalas e cadeiras de rodas – que, afinal, exigem um período de adaptação.  O médico fisiatra também executa procedimentos para amenizar dores crônicas de diferentes naturezas e reduzir a rigidez de músculos. Habitualmente  trabalha em conjunto com outros profissionais (equipe multidisciplinar) para buscar o bem-estar dos pacientes:  fisioterapeutas, quiropraxistas, fonoaudiólogos , terapeutas ocupacionais, psicólogos, psicopedagogos , nutricionistas, dentre outros.   Pós-Covid-19   Se, num passado próximo, a atuação da Fisiatria estava associada a consequências de doenças neurológicas e lesões no sistema musculoesquelético, a pandemia de Covid-19 vem trazendo para essa especialidade médica uma nova categoria de pacientes.  Entre eles, há pessoas de diferentes idades que passaram por internação prolongada em UTI e mesmo em enfermaria, que precisam ganhar massa muscular, reaprender a andar ou fazer suas atividades de rotina sem depender de terceiros e se recuperar emocionalmente, após tantas perdas. Nesses casos, o fisiatra traça um plano de tratamento o qual muitas vezes já começa no próprio hospital, com o apoio de uma equipe multidisciplinar conforme já descrito.  Outro grupo de pacientes que requerem essa abordagem é formado por aquelas pessoas que, mesmo depois da resolução da infecção onde não houve necessidade de internação hospitalar, passaram a apresentar a chamada síndrome pós-Covid-19, ou Covid-19 prolongada, com sintomas que se arrastam de semanas a meses, a exemplo de fadiga extrema, falta de ar, fraqueza muscular, dor generalizada, alterações de memória e concentração, transtornos de humor e distúrbios do sono. Nessas  situações, como qualquer outro médico, o fisiatra precisa investigar a causa das queixas,  visto que, em indivíduos que tiveram Covid-19 pode haver sequelas importantes, envolvendo órgãos vitais, como cérebro, coração e pulmões. Fazer acompanhamento em conjunto com outros especialistas,  prescrever medicamentos pertinentes a sua área, e indicar sessões de exercícios, costumam ser a base do tratamento, buscando a melhora do cansaço, das dores, da falta de ar e de outros sintomas da síndrome. Se, contudo, os pacientes mais graves recebem este atendimento no hospital durante a internação, os que apresentam quadros leves e permanecem com sintomas prolongados nem sempre buscam esclarecimento – como as queixas são diversas, muitas vezes mal sabem que especialista procurar. O fisiatra tem a formação ideal para manejar tais casos e, acredite, ele é tão acessível quanto qualquer outro especialista que consultamos rotineiramente. A DaVita conta com uma equipe de Fisiatria pronta para ajudar você a se reabilitar após a Covid-19 ou em qualquer outra situação clínica que gere sintomas incapacitantes.    Marque agora mesmo sua consulta!

Saiba Mais