Estamos a seu lado durante toda sua jornada de saúde.

CONSULTAS E SERVIÇOS

Oferecemos diversas especialidades de saúde em um só lugar.


UNIDADES

Encontre a unidade DaVita mais próxima de você. Nossa rede conta atualmente com 15 unidades na Grande SP.

EXAMES

Nas unidades DaVita você tem à sua disposição coleta de exames laboratoriais e exames de imagem.

Pronto Atendimento

O Pronto Atendimento está disponível em diversas unidades DaVita Serviços Médicos.
Saiba mais e descubra qual é a mais próxima e seu horário de funcionamento.

Saiba mais

Somos DaVita

A DaVita Serviços Médicos propõe um modelo inovador no atendimento e prestação de serviços em saúde. Oferecemos serviços integrados e coordenados. Esse é o nosso jeito especial de cuidar de você.

Saiba mais

DaVita Saúde

Acompanhe o nosso Espaço DaVita Saúde e fique por dentro das informações e curiosidades,
além de dicas de prevenção sobre a sua saúde.

20/01/2020
Bem-estar

Ar-condicionado e ventilador: use bem para se manter saudável

As altas temperaturas do verão nos últimos anos pedem recursos para se refrescar dentro dos ambientes. Com isso, o uso de aparelhos de ar-condicionado e ventiladores vem sendo cada vez mais comuns dentro das casas e dos escritórios. Mas você já se perguntou qual a forma mais adequada de utilizar esses aparelhos de refrigeração?  Em primeiro lugar, todo o cuidado é pouco com a manutenção dos sistemas, principalmente com os de ar-condicionado, que podem acumular agentes causadores de doenças respiratórias como ácaros, bactérias e fungos. A Organização Mundial de Saúde (OMS), inclusive, reconhece que a falta de vistoria e higienização de tais aparelhos, configura uma das causas da chamada síndrome do edifício doente. Segundo a entidade, a condição está presente em cerca de 30% dos prédios do mundo, podendo ocasionar de irritação nos olhos, passando por dor de cabeça, até dificuldades respiratórias durante o período dos indivíduos nesses ambientes. Assim, a limpeza geral e a troca dos filtros, os quais retêm microrganismos, poeira e fuligem, são essenciais para que os equipamentos emitam um ar limpo e funcionem adequadamente. Tanto os sistemas de ar automotivos quanto os domésticos devem ser limpos e ter seus filtros substituídos de forma periódica, em geral a cada seis meses ou conforme as instruções do fabricante, levando em conta a frequência de uso. Nos espaços corporativos, cabe à área de segurança e saúde do trabalhador definir estratégias em ações de prevenção de doenças ocupacionais. Já os filtros precisam ser trocados conforme o tamanho do local. Em fábricas, por exemplo, o ideal é que os aparelhos recebam novos acessórios a cada 15 dias. Mesmo os ventiladores comuns, tanto os portáteis quanto os de teto ou parede, requerem limpeza de suas pás e grades com regularidade, pois, do contrário, espalham poeira e sujeira nos ambientes, o que afeta sobretudo quem sofre com doenças alérgicas das vias aéreas, como rinite e asma, ou, ainda, doenças respiratórias crônicas como enfisema, bronquite ou doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Frequência e intensidade da refrigeração Com base em informações de especialistas, o uso inadequado do equipamento de ar-condicionado também pode ser prejudicial à saúde. A começar pela temperatura, que deve ficar entre 22oC e 23oC, como num dia de outono. Abaixo disso, um ambiente de trabalho, por exemplo, pode se tornar improdutivo e aumentar o risco de choque térmico porque, toda vez que os funcionários entram e saem do local, ficam sujeitos a extremos de temperatura, o que favorece ainda mais o surgimento de doenças respiratórias. Em espaços menores, não é diferente. Os especialistas não recomendam permanecer por muito tempo com o ar-condicionado ligado em qualquer local da casa, sobretudo no quarto, durante à noite. Mesmo numa temperatura razoável, vale lembrar que o aparelho remove a umidade local, comprometendo as vias respiratórias. O ideal é deixar o ambiente refrigerado antes de entrar nele. Está certo que quem acorda no meio da madrugada, por causa do calor, pode até acionar o ar algumas vezes, mas, de preferência, mantendo um recipiente com água no quarto para garantir a umidade. Além disso, é necessário ter o cuidado de não adormecer sob o ar frio e seco. Dentro do carro, da mesma forma, convém alternar o ar gelado com o ar proveniente do exterior para evitar a exposição demasiada a baixas temperaturas, o ressecamento das mucosas das vias aéreas e até mesmo o choque térmico. Ventiladores não abaixam a temperatura nem ressecam o ambiente, sendo, portanto, preferíveis ao aparelho de ar-condicionado, sobretudo em casa. Mas o vento não deve ser direcionado diretamente para as pessoas, e, sim, para o alto. Se possível, recomenda-se usar a função de exaustão, quando houver, já que é considerada a mais indicada pelos profissionais de saúde por apenas colocar o ar em movimento, reduzindo a sensação de calor. Caso você fique com infecções respiratórias frequentes, tente reduzir sua exposição a sistemas de refrigeração e, de qualquer modo, converse com um médico que conheça bem seu histórico de saúde para que ele possa investigar mais a fundo essa vulnerabilidade.   Como evitar os maus efeitos dos sistemas de ar-condicionado Se, em casa, você tem acesso ao controle do aparelho de ar-condicionado, não dá para dizer o mesmo de edifícios comerciais, ambientes corporativos, fábricas e redes de serviços em geral  como hotéis, shoppings, hospitais e laboratórios. Nesses espaços, o sistema costuma ser central e, quando a temperatura cai demais, o jeito é se proteger da exposição contínua ao ar gelado. Veja algumas dicas: - Mantenha as narinas hidratadas com soro fisiológico ou gel hidratante. - Procure deixar uma garrafa de água sempre à mão para hidratar bem o corpo, o que evita o ressecamento da pele e das vias respiratórias. - Aplique hidratante corporal na pele que fica exposta, assim como protetor labial. - Se as janelas não forem vedadas, deixe pequenas frestas para a entrada de ar externo, a exemplo do que facilmente pode ser feito no carro. - Não passe frio. Tenha sempre um agasalho consigo para ficar confortável no ambiente.

Saiba Mais
20/01/2020
Bem-estar

Ano novo, saúde nova: confira dicas para ampliar sua saúde nos próximos anos

Durante a virada de ano, podemos observar muita gente que nem é supersticiosa adulando a sorte. Por via das dúvidas, as pessoas pulam sete ondas, comem sete bagos de uva, vestem branco com o adereço amarelo para atrair dinheiro e, assim, iniciam o novo ciclo cheias de esperanças e, claro, resoluções. Em geral, todas essas metas envolvem melhorias na aparência, na carreira, nas conquistas materiais e nos relacionamentos. Bem, mas onde fica a saúde? A saúde não costuma ganhar a atenção que merece nessas listas e, quando aparece, é  travestida com a necessidade de emagrecer e de modelar o corpo – não exatamente de ficar mais saudável. Em uma pesquisa feita, por um site norte-americano há alguns anos, com 8 mil pessoas, a perda de peso foi a meta número um para quase 20% dos entrevistados.  Por outro lado, esse desejo indiretamente pode levar a escolhas menos nocivas no estilo de vida, mas o fato é que as resoluções podem e devem ser ampliadas no que diz respeito à saúde. Para ajudar você a dar um upgrade no seu bem-estar neste ano, os médicos da DaVita dão algumas sugestões. Resoluções para melhorar a saúde no novo ano 1. Mexa-se regularmenteA realização de exercícios regulares deve estar no topo da lista de resoluções. Afinal, a prática  traz benefícios gerais: ajuda a perder peso, modela o corpo, melhora o condicionamento físico, aumenta a disposição para qualquer atividade, favorece o bom funcionamento geral do organismo, notadamente do sistema cardiorrespiratório, e contribui para afastar a depressão. As vantagens são de brilhar os olhos, porém não adianta começar com metas muito ousadas. Se você está sedentário há muito tempo, pense em objetivos factíveis. Se não gosta de academia, caminhe, corra, pedale, entre num grupo de dança, aprenda a nadar ou faça exercícios na piscina. Mas comece devagar – nada de abraçar o mundo. E, antes de tudo, converse com um médico que conheça bem sua saúde para que ele possa verificar se você está apto para o exercício escolhido. Qualquer dor mais pronunciada depois de uma semana de pedaladas, por exemplo, pode jogar ladeira abaixo sua resolução. 2. Coma melhorNinguém está dizendo para você entrar numa dieta, mas sim, para ter uma alimentação balanceada na maioria dos dias e não fazer das guloseimas uma rotina. Pode comer hambúrguer com batata frita? Claro que sim. Contudo, esse lanche não pode ser a base da alimentação, pois lhe faltam nutrientes essenciais para saúde e, além disso, contém altos níveis de sódio e gorduras saturadas, nocivas ao coração. Mais do que contar calorias, é necessário ingerir todos os tipos de nutrientes, o que facilmente se consegue com o consumo de uma variedade de frutas, vegetais, proteínas (carne, peixe, frango), cereais integrais (diferentes tipos de arroz, trigo, cevada) e leguminosas (feijão, lentilha, soja, grão de bico). Doces, sal, gorduras e industrializados em geral exigem moderação.   4. Beba mais água Nas pausas para o cafezinho, tome também um copo de água ou encha uma garrafa para deixar junto de você. O certo não é esperar sentir sede, mas se hidratar o dia todo. Ora, se nosso corpo é formado por cerca de 60% a 70% de água, a falta de reposição desse combustível afeta seu funcionamento, provocando cãibras, cansaço, pele ressecada, alterações na pressão arterial, prisão de ventre, cálculos renais e até problemas de cognição – sim, o cérebro depende bastante da hidratação corporal. Não há exatamente um consenso sobre o volume recomendado, mas isso varia de pessoa a pessoa. Quem transpira mais devido à prática de atividade física, por exemplo, precisa aumentar o consumo hídrico. De qualquer modo, uma boa medida é a cor da urina, que deve estar sempre amarelo-clara para sinalizar boa hidratação. Fique atento a esse indicador e insira a meta da água no dia a dia. 5. Durma bemEstabeleça um horário máximo para se deitar e faça a chamada higiene do sono. Não jante logo antes de dormir nem se exercite à noite. No mais, procure criar um ritual: prepare o quarto, diminua as luzes e mantenha a temperatura agradável. Nada de tentar adormecer com a TV ligada, tampouco de olhar o celular quando já quando estiver deitado no travesseiro. No máximo, vale ler algumas páginas de um livro para relaxar. Dormir bem é um dos pilares para uma vida saudável. Noites maldormidas interferem na concentração e na disposição, além de aumentarem o risco de acidentes. Mexem também com o sistema endócrino, bagunçando o metabolismo e aumentando a necessidade de insulina em até um terço, segundo os especialistas. Isso significa que quem dorme mal não apenas ganha mais peso, como também apresenta maior risco de desenvolver o diabetes tipo 2.  6. Tome banhos diários de sol Cerca de 10 a 25 minutos diários, fora do horário de maior incidência dos raios ultravioleta, entre 10 e 16 horas, exponha braços e pernas ao sol, como se faz com os bebês. O banho de sol, no jargão dos especialistas, ajuda a “fazer osso”. Isso porque a pele, quando em contato com o astro-rei, produz vitamina D, um pró-hormônio que ajuda o cálcio a ser absorvido pelo corpo e é depositado no esqueleto.  Para cumprir a meta, você precisa incorporar algum hábito que o faça ter alguma exposição solar – só ficar com um braço para fora do carro não resolve. Quer sugestões? Leve as crianças a pé para a escola, compre pães frescos todos os dias na padaria mais distante do bairro ou saia para passear com o cachorro antes de ir para o trabalho – o que, aliás, vai fazer bem para a saúde dele também. Vale lembrar que a vitamina D, além de regular o metabolismo ósseo em todas as idades, tem participação no sistema imunológico, de modo que sua deficiência está ligada com o desenvolvimento de doenças autoimunes, nas quais as células de defesa atacam estruturas do próprio corpo, a exemplo de artrite reumatoide e lúpus eritematoso sistêmico. 7. Não envenene o organismoCigarro, álcool, automedicação... Seu corpo não merece esse disparate. Parar de fumar talvez seja a meta mais difícil, mas não impossível. O tabagismo é uma condição clínica que, como tal, precisa de tratamento (link para matéria de tratamento para parar de fumar). Só determinação não basta. Hoje há programas antitabagismo interessantes, que combinam terapia e medicamentos. Converse com um médico da sua confiança e estabeleça uma data para deixar de se intoxicar. Você vai ficar livre de mais de 4 mil substâncias tóxicas, voltará a sentir cheiros e sabores que antes se perdiam na fumaça e diminuirá aos poucos o seu risco para alguns tipos de câncer e, especialmente, para doenças cardiovasculares.  Bastante tolerado e associado às comemorações, o álcool, em excesso, pode se tornar um problema sério. Além de fazer o fígado adoecer, a ingestão exagerada de bebida alcoólica produz efeitos no sistema nervoso que afetam o comportamento e, não raramente, resultam em problemas familiares e sociais, sem falar em acidentes. Antes que esse hábito se transforme numa dependência, reduza a frequência com que bebe, bem como suas doses. Se não conseguir, tente buscar a ajuda de um profissional. Por fim, não abuse de remédios sem prescrição. Aumentar uma dose por conta própria pode ser letal. Mesmo que se trate de uma aparentemente inofensiva Aspirina®. Se você precisa de medicações a toda hora, ainda que para dor de cabeça ou qualquer sintoma inespecífico, há algo errado que deve ser resolvido e investigado com um médico que conheça bem seu histórico de saúde. 8. Passe mais tempo com a família e os amigosAs relações humanas são fundamentais para a saúde. Quem vive sozinho tem mais chance de adoecer. Uma pesquisa do Ministério da Saúde, por exemplo, mostrou que homens que vivem solitários na terceira idade têm uma expectativa de vida menor porque se descuidam – são as companheiras que os fazem procurar atendimento médico diante de alguma queixa. O isolamento, em qualquer idade, ainda favorece o desenvolvimento de transtornos de humor, sobretudo a depressão. Assim, por mais que você precise trabalhar, determine um limite de horas dedicadas às atividades profissionais para que possa estar com amigos, companheiro, filhos e pais, de forma que não seja sempre o último a chegar em casa e fazer suas refeições sozinho. A partir deste ano, deixe de sair tarde do escritório. Use o almoço para encontrar amigos, tome um café com seus pais em alguns dias da semana, surpreenda sua família com um programa inesperado. O que vale nessa vida são as horas que passamos com quem mais amamos.  9. Combata o estresseNão, ele não vai embora porque existe desde sempre. O estresse prepara o corpo para reagir a um perigo, liberando adrenalina e cortisol. Na época das cavernas, o homem dava vazão a essas substâncias ao fugir das ameaças ou mesmo ao enfrentá-las. Hoje, porém, o organismo continua se comportando da mesma forma, mas as ameaças são de outra natureza – o engarrafamento, o medo da violência, as metas profissionais, as dificuldades no trabalho, as preocupações financeiras – e não conseguimos nos livrar facilmente dos efeitos desses dois hormônios, que aceleram os batimentos cardíacos, aumentam a pressão arterial e, em longo prazo, polarizam doenças.  A prática de atividade física é uma forma de debelar o estresse – portanto, se você cumprir a resolução número um, automaticamente dará conta desta. Cultivar hobbies também ajuda a reduzir as tensões. Cozinhar, cuidar do jardim, desenhar e pintar são alguns exemplos de atividades que podem ajudar seu corpo a entender que você não está sob ameaça o tempo todo.  10. Aprenda uma nova tarefaQue tal voltar a estudar? Não precisa ser uma nova faculdade, tampouco a conclusão de um curso interrompido. Você pode ingressar num programa para aprender alguma coisa diferente, desafiante mesmo. Tal decisão ajuda você de todas as formas. Amplia sua rede de relacionamentos e também sua rede de conexões neuronais. Quanto mais aprendemos, menos desenvolvemos demências na terceira idade, garantem os especialistas. Para atender a mais de um objetivo com os estudos, você pode envolver alguém da família nessa iniciativa, por exemplo, e, assim, passar mais tempo com essa pessoa. 11. Use as redes sociais com moderaçãoAs redes sociais tornam as pessoas mais próximas, ajudam a marcar encontros e a divulgar informações relevantes, mas têm seu lado B. Na área da saúde, prestaram um grande desserviço nos últimos anos, ao circularem notícias falsas sobre vacinação, que ainda hoje atrapalham muito a adesão das pessoas a essa proteção. No panorama sociopolítico, provocam desavenças, perseguições e culminam com um resultado contrário: separam pessoas ao invés de agregá-las. E há ainda outra vertente perigosa: o vício nas redes, que roubam horas de trabalho e de sono, assim como a atenção que poderia ser dada aos entes queridos, gerando improdutividade, isolamento, ansiedade e depressão. Contra tudo isso, mude a forma de empregar essas ferramentas. Utilize o WhatsApp para mensagens pontuais – já cheguei, espero você no endereço tal, deixei a encomenda na sua portaria. Não se exponha nas demais, tampouco sua família e filhos pequenos. Não gaste tempo sondando a vida de colegas, famosos e formadores de opinião – o jardim do vizinho é sempre mais verde. O melhor mesmo, após o trabalho, é usar o celular para a primeira finalidade do aparelho – como telefone – e aproveitar o pouco tempo livre para viver. Parafraseando o verso de uma música que o ex-Beatle John Lennon dedicou ao seu filho, a vida é o que nos acontece enquanto estamos ocupados fazendo outros planos.

Saiba Mais
13/01/2020
Prevenção

Tempo de pensar no combate ao câncer de pele

Adivinhe qual o câncer mais frequente no Brasil? Quem pensou em mama, próstata, intestino ou pulmão não acertou. O tumor maligno mais comum nestas terras ensolaradas é o de pele não melanoma, sobretudo dos tipos basocelular e espinocelular, representando cerca de um terço de todos os casos de câncer em nosso país. Só em 2018, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer, foram 165,5 mil casos, dos quais 85,1 mil em homens e 80,1 mil em mulheres. Segundo especialistas, diversos fatores explicam o grande número de pessoas acometidas pela doença. Com clima tropical, é comum a alta incidência solar o ano todo no Brasil, o que torna a população mais vulnerável ao tumor. Isso também ocorre devido ao fato de muitos brasileiros manterem o hábito de usar protetor solar somente quando vão à praia ou à piscina, não se protegendo no dia a dia, o que aumenta o nível de exposição à radiação. Alguns outros fatores de risco incluem ainda histórico familiar e pele muito clara. O excesso de exposição solar ao longo da vida também aumenta a possibilidade de adquirir essa lesão maligna, já que os malefícios dos raios ultravioleta A e B (UVA e UVB) às células da pele são cumulativos. Não faz muito tempo, usava-se óleo bronzeador na praia e trabalhadores do campo, da construção civil e da limpeza urbana não se protegiam adequadamente com roupas e mesmo praticantes de esportes aquáticos e ao ar livre só aplicavam, no máximo, uma camada de creme contra assaduras no nariz e nas bochechas.  O fato é que a cultura da fotoproteção é um tanto recente no Brasil porque, por muito tempo, vigorou a ideia de que pele saudável é a pele bronzeada. Para se ter uma ideia, os bronzeadores chegaram aqui na década de 1960 e os produtos com fator de proteção solar (FPS), apenas na década de 1980, inicialmente nas versões 4, 8 e 15.  Por outro lado, felizmente, o tumor de pele é bem menos letal que os demais cânceres – com exceção do melanoma, que, embora mais raro, apresenta uma taxa de mortalidade elevada porque costuma se espalhar de maneira rápida para outros órgãos. Mesmo assim, tanto o tipo basocelular quanto o espinocelular precisam ser tratados com rapidez, pois há riscos de causarem lesões que podem mutilar ou desfigurar a pele em áreas expostas do corpo, podendo ter grande impacto emocional nos pacientes. Como reconhecer o tumor É evidente que se proteger do sol tem vital importância nesse contexto, mas a fotoproteção não basta, justamente por conta dos demais fatores de risco para a doença. Na prática, as pessoas devem conhecer bem o próprio corpo e a localização de pintas, manchas e outras lesões. Além disso, precisam, estar atento às regiões  da pele que mais recebem sol, como rosto, braços, orelhas, pescoço, lábios, ombros, costas e couro cabeludo. De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), lesões suspeitas de câncer de pele não melanoma têm aparência elevada e brilhante, além de coloração vermelha, castanha ou rosada e sangram com facilidade. Manchas e feridas que não cicatrizam também devem levantar o alerta, sobretudo se crescem, coçam, sangram e apresentam crostas. O encontro dos sinais é suficiente para procurar um dermatologista o quanto antes para uma avaliação detalhada. O diagnóstico depende de exame clínico, dermatoscópico (realizado durante a consulta) e biópsia das lesões, ou seja, retirada de fragmentos minúsculos para exame micro e macroscópico da natureza de suas alterações. Opções de tratamento Existem várias formas de tratamento para o câncer de pele não melanoma, tais como remoção cirúrgica convencional e a laser, raspagem da lesão e destruição das células malignas por bisturi elétrico, congelamento do tumor com nitrogênio líquido e cirurgia micrográfica de Mohs, uma técnica baseada na retirada dos tecidos comprometidos e em sua análise ao microscópio, por várias vezes, até não restarem mais células tumorais – os tecidos sadios são preservados.   Outra possibilidade é a terapia fotodinâmica, que combina a aplicação de uma substância fotossensibilizante (sensível à luz) na lesão e na exposição da região a uma fonte luminosa que ativa esse agente e destrói as células malignas, com um mínimo impacto à pele. Para completar, usam-se ainda as modalidades terapêuticas clássicas, especialmente quando o tumor pode ter algum risco de se disseminar, como quimioterapia e radioterapia. A escolha da melhor opção é feita caso a caso pelo dermatologista, que leva em consideração o tipo e o tamanho da lesão, bem como sua localização. Como todo câncer, quanto mais precoce for o diagnóstico, maiores serão as possibilidades de cura, sem grandes repercussões à aparência ou mesmo à qualidade de vida do paciente. Proteja sua pele o ano todo e visite um dermatologista periodicamente. Carcinoma basocelular ou espinocelular? Conheça a diferença A classificação de câncer de pele não melanoma tem a ver com o tipo de célula envolvida na lesão. O basocelular, o mais comum, origina-se das chamadas células basais, encontradas na camada mais profunda da pele. Costuma aparecer nas áreas que ficam expostas ao sol, como face, orelhas, pescoço, couro cabeludo, costas e ombros. Já o espinocelular se forma a partir de células escamosas, que compõem a maior parte das camadas superiores da pele. Também é mais comum em regiões expostas, mas pode surgir em qualquer parte do corpo. Além do sol, vale lembrar que esse tumor está associado a feridas crônicas e cicatrizes, uso de medicamentos contra rejeição de órgãos transplantados e exposição a determinados produtos químicos e a outros tipos de radiação. A prevenção do câncer de pele está ao seu alcance - Utilize um produto com cobertura contra raios UVA e UVB e com FPS 30, no mínimo. Para peles negras, no entanto, o FPS pode até ser menor, entre 15 e 20, pois contam com uma proteção natural, ou seja, há maior quantidade de melanina que funciona como um escudo contra os raios solares. Contudo, a escolha do FPS ideal também deve levar em conta o tom de pele desse grupo, que varia bastante.  - Incorpore o hábito do uso do FPS diariamente em sua rotina e em todas as estações do ano. Quem fica em ambientes fechados deve aplicar o produto antes de sair de casa e  reaplicar na hora do almoço, antes ir para a rua. Já para quem permanece em ambiente externo, a reaplicação deve ocorrer a cada duas horas, em média, principalmente em caso de prática de esportes, uma vez que a transpiração excessiva remove a proteção. - Aprenda a usar o protetor de forma correta. Adivinhe qual o câncer mais frequente no Brasil? Quem pensou em mama, próstata, intestino ou pulmão não acertou. O tumor maligno mais comum em terras ensolaradas é o de pele não melanoma, principalmente dos tipos basocelular e espinocelular, representando cerca de um terço de todos os casos de câncer em nosso país. Só no ano passado, de acordo com o Instituto Nacional de Câncer, foram mais de 165 mil casos, dos quais 85,1 mil em homens e 80,1 mil em mulheres. - Evite se expor ao sol no período de maior incidência dos raios ultravioleta (UV), ou seja, entre 10h e 16h, mesmo em dias mais nublados. Se estiver ao ar livre, na praia ou na piscina, abrigue-se à sombra. Vale lembrar que o guarda-sol e as barracas de nylon não são totalmente eficientes, pois a maior parte da radiação solar ultrapassa esse material. Se optar por barracas, o ideal é que sejam de lona ou de algodão, que absorvem pelo menos metade dos raios UV. Contudo, mesmo à sombra, não abra mão do protetor solar na praia, na piscina, no campo ou até mesmo na rua. - Passe o produto cerca de 30 minutos antes da exposição solar, de modo que a pele o absorva, distribuindo-o uniformemente em todas as partes do corpo que ficarão expostas. A quantidade ideal, de acordo com a SBD, é de uma colher de chá para cada parte do corpo, em média. Não se esqueça de orelhas, nuca, mãos e pés, quase sempre negligenciados. Reaplique o protetor a cada duas horas ou após transpiração excessiva e/ou entrada na água. Esse cuidado vale para peles de qualquer tom. Vale lembrar que a barreira natural da pele negra deixa de funcionar se não houver aplicação adequada.  - Mantenha os bebês protegidos do sol, uma vez que produtos com FPS só podem ser aplicados em crianças a partir de 6 meses de idade. O banho de sol diário, recomendado pelos pediatras para a produção de vitamina D pelo organismo, deve ser feito sem protetor, com braços e pernas expostos, por, pelo menos, dez minutos, mas sempre antes das 9h. - Ao ar livre, utilize recursos além do protetor, tais como camisetas, óculos escuros, bonés, chapéus de abas largas, camisetas de manga longa com fator de proteção solar e outros. Quem trabalha ao ar livre, por exemplo, precisa ficar totalmente coberto. - Faça o autoexame da pele, seguindo a regra do ABCDE. Independentemente dos achados, procure um dermatologista ao menos uma vez por ano para uma avaliação geral.  Como usar a regra do ABCDE no autoexame da pele Para facilitar a identificação de lesões suspeitas pelo próprio paciente, a SBD sugere o uso da regra do ABCDE. Confira: Letra / O que observar  Característica de tumor maligno Característica de tumor benigno A de assimetria Assimétrico Simétrico B de borda Irregular Regular C de cor Duas ou mais Única D de dimensão Acima de 6 mm(provavelmente maligno) Abaixo de 6 mm(provavelmente benigno) E de evolução Cresce e muda de cor(provavelmente maligno) Não cresce nem muda de cor(provavelmente benigno)

Saiba Mais