Estamos a seu lado durante toda sua jornada de saúde.

CONSULTAS E SERVIÇOS

Oferecemos diversas especialidades de saúde em um só lugar.


UNIDADES

Encontre a unidade DaVita mais próxima de você. Nossa rede conta atualmente com 15 unidades na Grande SP.

EXAMES

Nas unidades DaVita você tem à sua disposição coleta de exames laboratoriais e exames de imagem.

Pronto Atendimento

O Pronto Atendimento está disponível em todas as unidades DaVita Serviços Médicos.
Saiba mais e descubra qual é a mais próxima e seu horário de funcionamento.

Saiba mais

Somos DaVita

A DaVita Serviços Médicos propõe um modelo inovador no atendimento e prestação de serviços em saúde. Oferecemos serviços integrados e coordenados. Esse é o nosso jeito especial de cuidar de você.

Saiba mais

DaVita Saúde

Acompanhe o nosso Espaço DaVita Saúde e fique por dentro das informações e curiosidades,
além de dicas de prevenção sobre a sua saúde.

16/09/2019
Bem-estar

Doação em vida: como ajudar quem precisa de medula óssea

Entre os órgãos e tecidos que podem ser doados em vida, está a medula óssea, que se localiza no interior dos ossos e contém as células-tronco hematopoéticas (ou progenitoras), responsáveis por produzir os elementos que compõem o sangue – leucócitos, que fazem a defesa do organismo, hemácias, que levam oxigênio para todo o corpo, e plaquetas, que atuam na coagulação sanguínea. O transplante de medula óssea, muitas vezes, é a única esperança de cura de pacientes com doenças hematológicas como a anemia falciforme e as leucemias. A primeira alternativa, quando se busca um doador, é procurar dentro da própria família do indivíduo – o que tem uma probabilidade de sucesso de 25%, especialmente entre irmãos, uma vez que deve haver compatibilidade genética entre doador e receptor. Esgotadas as possibilidades, recorre-se aos não aparentados, quando a chance de encontrar uma pessoa compatível não passa de 1 em 100 mil. Por isso é tão importante contar com um vasto número de doadores. O Brasil mantém, desde 1993, o Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea, o Redome, cadastro coordenado pelo Instituto Nacional do Câncer que hoje possui mais de 4,6 milhões de voluntários inscritos, segundo o Ministério da Saúde. Esse número fica atrás apenas dos Estados Unidos e da Alemanha. Os pacientes que precisam de um transplante não se restringem aos doadores de seu Estado: podem usufruir da busca em todo o território nacional, assim como nos bancos internacionais, visto que o Brasil tem parceria com uma rede mundial, a Worldwide Network For Blood & Marrow Transplantation. Apesar desse bom desempenho, o Redome está sempre procurando novos voluntários para aumentar as chances de quem já não pode se dar ao luxo de esperar muito tempo. Para se cadastrar como doador, é necessário ter entre 18 e 55 anos e estar em boas condições de saúde, sem doenças infecciosas, hematológicas e do sistema imunológico, tampouco câncer e enfermidades incapacitantes. Com esses critérios atendidos, basta se dirigir ao hemocentro mais próximo, preencher uma ficha de identificação e coletar sangue para o teste de histocompatibilidade, também chamado de tipagem HLA, que fornece as características genéticas do voluntário. A partir do momento em que esses dados entram no sistema, as informações genéticas do doador são cruzadas com as de todos os receptores que aguardam o transplante. Uma vez encontrado o voluntário compatível, ele é imediatamente contatado para confirmar seu interesse em doar a medula óssea e convocado para fazer novos testes e para se submeter a uma avaliação de seu estado de saúde. Se tudo estiver bem, o médico decide, portanto, a melhor maneira de realizar o procedimento, levando em conta as necessidades do receptor e as características do doador.   Como é feita a doação? A coleta de células progenitoras da medula óssea pode ser feita por meio de quatro a oito punções com agulha nos ossos da bacia, sob anestesia geral ou peridural, em centro cirúrgico. Embora seja uma intervenção rápida (de cerca de 90 minutos), o doador permanece em regime de internação por 24 horas. Outra forma de doação é por aférese, na qual o voluntário toma uma medicação por cinco dias para aumentar o número de células-tronco na circulação. No dia do procedimento, que dura em torno de quatro horas, uma máquina colhe o sangue, separa essas células e devolve os demais elementos sanguíneos para o doador, usando exclusivamente o acesso venoso, sem necessidade de sedação nem de hospitalização. Em qualquer um dos casos, a medula do doador se recompõe totalmente em cerca de 15 dias e ele pode doar parte de suas células progenitoras de novo no futuro, caso apareça um outro receptor compatível. Os riscos da doação em centro cirúrgico são poucos e estão relacionados ao uso da anestesia. O voluntário também pode sentir algum desconforto no local das punções, o que cessa com analgésico, e é orientado a retomar suas atividades habituais somente após uma semana. A doação por aférese pode causar apenas dor no corpo durante o período de uso do medicamento, semelhante à provocada por uma gripe, mas libera a pessoa para suas atribuições já no dia seguinte. Para o paciente que vai receber a doação, o transplante é mais simples do que qualquer outro, bem parecido com o de uma transfusão de sangue, e leva apenas duas horas. As células injetadas circulam em seu organismo e se alojam na medula óssea, onde se espera que, algum tempo depois, comecem a produzir glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas normalmente e em quantidade suficiente. Até que a “pega” da nova medula ocorra (como os médicos costumam se referir ao sucesso do tratamento), o paciente permanece internado e isolado porque, nesse momento, fica suscetível a infecções e sangramentos, entre outras complicações.   Atualize seu cadastro Após o cadastro no Redome, podem se passar meses e até anos sem que nada aconteça, dada a chance pequena de encontrar um doador compatível entre não aparentados. Por esse motivo, é fundamental o voluntário atualizar o cadastro quando troca o número de celular ou muda de casa ou de emprego. Segundo os especialistas, um terço dos transplantes de medula óssea deixa de ocorrer por falta de atualização dos dados. Nada mais triste para o paciente e a família, inclusive para a equipe médica, em saber que existe um pessoa compatível em algum lugar e não conseguir localizá-la. Quem se torna um doador voluntário de medula óssea, portanto, deve estar sempre acessível. Quando menos se espera, o telefone pode tocar anunciando o convite para salvar uma vida. Para saber mais, acesse: http://redome.inca.gov.br/

Saiba Mais
16/09/2019
Prevenção

Prevenção do suicídio: há luz no fim do túnel

Na história contemporânea, diversos ícones da música, da literatura e da indústria do entretenimento foram parar nas manchetes dos meios de comunicação não só por suas obras, mas por terem decidido interromper a vida por conta própria. Não raro, estavam no auge de suas carreiras e saíram de cena, sem explicações e sem pistas de que fossem desistir. Muitas vezes, no entanto, essas pessoas tinham em comum histórias de transtornos como depressão e dependência química, ainda que pudessem estar abstêmias no momento do ato. Apesar de o suicídio já ser considerado um problema de saúde pública – no Brasil, são 32 mortes dessa natureza por dia, segundo o Ministério da Saúde –, não há melhor meio de preveni-las do que falar abertamente sobre saúde mental e mostrar rotas seguras de ajuda para a pessoa que está perdendo a vontade de viver e para seu núcleo afetivo. Até porque os especialistas estimam que nove entre dez casos podem ser prevenidos.   Sinais de alerta Em primeiro lugar, fique atento aos sinais de alerta. Frases de alarme – como “quero sumir”, “vou embora” e “não aguento mais” – devem ser valorizadas, especialmente no caso de adolescentes, entre os quais o número de casos vem crescendo muito nos últimos anos, apesar de os idosos serem o grupo de maior risco. Além disso, mudanças radicais de comportamento – como deixar de gostar de algo pelo qual havia grande interesse antes – também pedem atenção. Na outra ponta, uma melhoria súbita pode indicar apenas simulação e esconder uma decisão já tomada. Por fim, tentativas anteriores elevam o risco. Quem já tentou uma vez, está mais vulnerável. Se você perceber algum desses comportamentos, é importante não deixar a pessoa em risco sozinha, ouvi-la e levá-la para a avaliação de um psiquiatra. O Centro de Valorização da Vida, o CVV, que atende gratuitamente a todo o Brasil pelo número 188, também é um canal imediato para quem precisa de um ombro amigo com urgência. Treinados para escutar, acima de tudo, os voluntários do serviço estão capacitados para oferecer o que há de mais necessário nesse momento: apoio emocional e esperança.   O que fazer para ajudar? Outro ponto sempre importante, dentro ou fora desse contexto, é esclarecer a população sobre os problemas mentais e os perigos das drogas e do álcool numa mente em conflito, especialmente se essa mente ainda está em formação (como ocorre na adolescência). A depressão, o mais frequente transtorno por trás de tais casos, é doença e exige um tratamento multidisciplinar, que pode combinar medicação, psicoterapia, prática de atividade física e terapias alternativas. A mesma estratégia se aplica à dependência química. Por último, os especialistas recomendam não manter nada que seja letal por perto: venenos, pesticidas e estoque de remédios, tampouco armas brancas ou de fogo. Convém não facilitar. Isso vale ainda para estratégias de segurança em casa, como manter grades nas janelas e no espaço público. Não dá para levar uma pessoa nessas condições para um local externo que possa oferecer algum risco. Esses cuidados contribuem para dificultar o ato e ajudam a levar o indivíduo a repensar sua decisão. Não custa lembrar que, apesar de ter causas multifatoriais, o suicídio é uma atitude impulsiva. No dia seguinte, quase sempre tudo parece mais simples. Procure um profissional da área de saúde mental para conversar sobre a vida.

Saiba Mais
12/09/2019
Saúde do Homem

Linfoma, um câncer do sistema linfático

Nos últimos anos, o linfoma ganhou as manchetes da grande imprensa depois que algumas pessoas públicas anunciaram ter recebido tal diagnóstico. Mesmo assim, a condição ainda permanece desconhecida por muitos, apesar de não se tratar de uma doença rara. Apenas para dar uma ideia, em 2018, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) calculou uma estimativa de quase 13 mil novos casos por ano no Brasil, os quais incidem com maior frequência no sexo masculino e na população idosa. Grupo de diversos cânceres formados por células de defesa do organismo, o linfoma classicamente se divide em Hodgkin e não Hodgkin – nome do patologista inglês que primeiro descreveu a doença, em 1832, Thomas Hodgkin. A diferença está nas características das células que geram o tumor e também no prognóstico. Enquanto o primeiro envolve um tipo celular específico, conhecido como Reed-Sternberg, e tem um desfecho clínico melhor, o segundo pode surgir a partir de qualquer célula do sistema linfático (link para boxe Conheça o sistema linfático) e apresenta menor probabilidade de cura. Tanto é assim que o INCA contabilizou 4.394 mortes que tiveram como causa o linfoma não Hodgkin, em 2015, ante 562 mortes pelo linfoma de Hodgkin no mesmo ano. Nos dois casos, no entanto, o câncer se desenvolve da mesma forma. Uma célula de defesa, por razões desconhecidas na maioria das vezes, sofre transformação maligna passando a se dividir de maneira desordenada e a se multiplicar descontroladamente dentro dos gânglios linfáticos – também chamados de linfonodos ou de ínguas –, podendo afetar diferentes partes do corpo, já que a circulação linfática percorre todo o organismo. A principal manifestação clínica é o aumento indolor desses linfonodos, sobretudo nas laterais do pescoço, nas axilas, nas virilhas e acima da clavícula. Diferentemente daqueles gânglios que aparecem durante infecções, os do linfoma crescem rapidamente, têm consistência de borracha, muitas vezes podem ser vistos e sentidos pelo toque e persistem por semanas. Nem todos os pacientes relatam os mesmos sintomas mas, além dos linfonodos, há possibilidade da doença causar queixas comuns a outras enfermidades, especialmente febre, perda de peso inexplicável e sudorese noturna, que molha a roupa de cama. Como o linfoma pode acometer diversos órgãos, por vezes acontece também de ocorrerem manifestações específicas envolvendo, por exemplo, o sistema digestório (dor abdominal, náuseas e vômitos), a pele (manchas vermelhas e coceira) e o sistema nervoso central (dor de cabeça e alterações na visão, na coordenação motora e no comportamento). A origem do linfoma Embora o fator que explique o surgimento do linfoma não seja totalmente conhecido, o risco aumenta em fumantes, em indivíduos que passam muito tempo expostos a produtos químicos, sobretudo agrícolas, em portadores de doenças que afetam o sistema imunológico, como HIV/AIDS, e em pessoas que usam medicamentos imunossupressores. Alguns agentes infecciosos igualmente podem estar associados ao desenvolvimento desse câncer – apesar de o fato de ter tido infecções causadas por eles não determinar, necessariamente, a ocorrência da doença –, como o vírus Epstein-Barr, que está por trás da mononucleose, o vírus HTLV-1, uma espécie de primo do HIV, visto que se comporta de modo semelhante, e a bactéria Helicobacter pylori, envolvida em casos de gastrite e úlcera. A partir da história clínica, o diagnóstico é confirmado por meio de biópsia do linfonodo e do estudo anatomopatológico, que analisa a natureza de seus tecidos. Exames de imagem costumam ser pedidos para avaliar a extensão do linfoma. Até pouco tempo atrás, o tratamento não diferia do de qualquer câncer, com quimioterapia associada à radioterapia. Hoje, porém, os protocolos mais modernos usam agentes quimioterápicos combinados a fármacos mais inteligentes, que atuam exclusivamente sobre as células doentes, seja atacando-as diretamente, seja bloqueando vias que permitem a progressão da doença. A prevenção se restringe a evitar as situações que elevam o risco de linfoma, como o tabagismo, a exposição a produtos químicos e a prática de sexo sem proteção, que pode levar a infecções sexualmente transmissíveis associadas ao surgimento da condição. De qualquer modo, conhecer bem o próprio corpo ajuda a notar qualquer sinal diferente, suspeito de linfonodo aumentado, o que vale sobretudo para quem já tem problemas de saúde que comprometem o sistema imunológico ou toma remédios que minam as defesas.  Diante de qualquer dúvida, o mais importante é procurar um médico quanto antes para esclarecimentos, uma vez que o diagnóstico precoce sempre amplia as possibilidades de cura. Conheça o sistema linfáticoTrabalhando em conjunto com o sistema imunológico, o sistema linfático tem a função de combater infecções e de eliminar microrganismos e outras impurezas do organismo. Para tanto, conta com vasos linfáticos que percorrem o mesmo trajeto da circulação sanguínea, pelos quais passa a linfa, um fluido transparente resultante de uma pequena fração do plasma, a parte líquida do sangue. A linfa recolhe todo o lixo orgânico dos tecidos e o deposita nos linfonodos, onde as células de defesa podem, então, entrar em ação.  

Saiba Mais