Glossário

Encontre aqui uma explicação objetiva para termos médicos que você escuta por aí, seja em consultas, seja em laudos de exames, seja em conteúdos sobre saúde.

Mesmos os textos do nosso blog direcionam você para este glossário quando mencionam alguma condição clínica ou jargão técnico que configuram assunto secundário dentro do contexto original, mas que merecem mais detalhes para você ficar bem esclarecido.

Aproveite. Conhecimento e prevenção caminham juntos.

Busque seu glossário
  • Acidente vascular cerebral (AVC)

    Popularmente conhecido como derrame cerebral, ocorre quando as artérias que levam sangue ao cérebro sofrem obstrução (AVC isquêmico) ou se rompem (AVC hemorrágico). Nos dois casos, o evento paralisa a área do cérebro que ficou sem oxigênio e nutrientes carregados pelo sangue, comprometendo sistemas e funções do corpo dependentes dessa área.

  • Alergia

    Reação exagerada do organismo quando exposto a determinados fatores ambientais, tais como ácaros, pólen, alimentos, medicamentos e látex. Pode se manifestar por sintomas respiratórios, gastrointestinais e oculares, assim como por manchas na pele e anafilaxia, uma reação aguda e grave, que precisa de socorro imediato.

  • Anemia

    Refere-se à diminuição da hemoglobina no sangue, acompanhada ou não da redução dos glóbulos vermelhos, abaixo da normalidade. Como a hemoglobina transporta oxigênio para todo o corpo através da corrente sanguínea, os sintomas da anemia estão principalmente ligados à queda da oferta de oxigênio aos tecidos, levando a fadiga, taquicardia, falta de ar e tonturas.

  • Asma

    Doença respiratória crônica, decorrente de um estreitamento reversível das vias aéreas, que dificulta a expiração do ar durante as crises, causando sensação de falta de ar e tosse. Agrava-se na presença de fatores irritativos, como fumaça de cigarro, ar frio, poluição e alérgenos inaláveis, a exemplo de mofo, pelo de animais (cão e gato) e outros.

  • Câncer

    Conjunto de mais de cem doenças que se caracterizam pela multiplicação anormal e desordenada de células. Pode surgir em qualquer parte do corpo, mas alguns órgãos são mais suscetíveis que outros. Entre os mais frequentes estão os de pele (não melanoma), mama, colo de útero, próstata, intestino, pulmão e estômago, além de linfomas e leucemias.

  • Câncer colorretal

    Doença que acomete parte do intestino grosso, o cólon, e o reto, desenvolvendo-se a partir de lesões benignas, chamadas pólipos, que, sem tratamento, acabam se transformando em tumores malignos. Manifesta-se com anemia, mudança de hábito intestinal, perda de sangue nas fezes, cólica, emagrecimento e sensação de evacuação incompleta.

  • Câncer de colo de útero

    Tumor maligno que afeta a parte inferior do útero em decorrência da infecção local pelo papilomavírus humano, o HPV, que causa o surgimento de lesões pré-malignas. Os sintomas incluem dor pélvica ou durante a relação sexual, corrimento e sangramento não menstrual, além de manifestações inespecíficas, como perda de peso e fadiga.

  • Câncer de estômago

    Também conhecido como câncer gástrico, resulta da multiplicação desordenada das células locais, causada por fatores genéticos e ambientais, como a dieta e a presença da bactéria Helicobacter pylori. Dor de estômago, perda de peso, empachamento, vômitos com sangue e fezes escurecidas podem ser alguns dos sintomas.

  • Câncer de intestino

    Conhecido como câncer colorretal, envolve os tumores que afetam o cólon e o reto. Costuma surgir a partir de lesões benignas, chamadas pólipos, que aparecem nas paredes do intestino ou reto e, sem tratamento, evoluem para câncer. Causa anemia, mudança de hábito intestinal, perda de sangue nas fezes, cólica, emagrecimento e sensação de evacuação incompleta.

  • Câncer de mama

    Tumor que se origina devido à multiplicação anormal e desordenada de células mamárias. Pode ser in situ, quando se restringe ao interior da mama, ou invasivo, quando, espalhando-se espalha-se para outros órgãos. Nem sempre causa sintomas, mas, além do nódulo palpável, qualquer outra alteração nas mamas deve servir de sinal de alerta.

  • Câncer de próstata

    Resultante da multiplicação desordenada e anormal das células da próstata, a glândula que produz um líquido que nutre os espermatozoides e facilita seu deslocamento. Na maioria dos casos, evolui lentamente e sem sintomas. Quando presentes, estes incluem dificuldade para urinar, aumento do número de micções, jato urinário mais fraco e sangue na urina.

  • Colesterol

    Gordura que integra diversas estruturas no organismo e participa da formação da vitamina D e dos ácidos biliares, auxiliares da digestão, entre outros. Circula no corpo carregado pelas lipoproteínas LDL, ou colesterol ruim, que o leva para a circulação e está relacionado a doenças cardiovasculares, e HDL, o bom colesterol, que o transporta para o fígado e tem papel cardioprotetor.

  • Conjuntivite

    Inflamação da conjuntiva, membrana que recobre a parte externa do olho. Deriva de agentes infecciosos, como vírus e bactérias, quando é altamente contagiosa, e também de processos alérgicos. Manifesta-se com vermelhidão ocular, sensação de areia nos olhos, lacrimejamento e acúmulo de secreções.

  • Dengue

    Doença infecciosa provocada por um vírus transmitido pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti. Cursa com febre alta, dor atrás dos olhos e no corpo, mal-estar, dor de cabeça e falta de apetite. Como existem quatro sorotipos desse vírus, é possível contrair dengue até quatro vezes, o que aumenta as chances de evolução para a forma hemorrágica da doença.

  • Depressão

    Distúrbio afetivo caracterizado por tristeza profunda, pessimismo, baixa autoestima e perda de interesse generalizada, percebida pela falta de prazer em atividades que anteriormente faziam o indivíduo se sentir bem. Embora seja causada por várias condições, envolve sempre alterações bioquímicas no cérebro ou mesmo nas células nervosas.

  • Dependência química

    Perda do controle sobre o uso de uma droga de abuso, incluindo o álcool, marcada pela incapacidade de interromper não só o consumo, mas também a quantidade consumida. O dependente substitui qualquer atividade pela droga, persiste em seu uso, apesar das conseqüências nefastas, e apresenta uma vontade incontrolável de consumi-la.

  • Diabetes

    Doença crônica marcada pelo aumento dos níveis de glicose no sangue, devido a problemas no metabolismo de carboidratos, provocados pela falta ou pelo mau uso da insulina, o hormônio que permite a entrada de glicose para dentro das células. Pode ocasionar sede excessiva, vontade frenquente de urinar, cansaço, aumento da fome, sede e visão turva, entre outros, ou nem causar sintomas.

  • Diabetes gestacional

    Elevação da taxa de glicose no sangue durante a gravidez, decorrente de diversas alterações hormonais que afetam o funcionamento do organismo da mulher nessa fase. Nas grávidas com a condição, o pâncreas não consegue se adaptar às mudanças no metabolismo de carboidratos e à resistência da insulina que ocorre nesse período.

  • Diabetes tipo 2

    Doença crônica caracterizada pelo aumento da taxa de glicose no sangue, que ocorre principalmente pela dificuldade da insulina em produzir seus efeitos (resistência insulínica). Representa a maioria dos casos de diabetes e favorece o surgimento de doenças macrovasculares (infartos, acidente vascular cerebral) assim como microvasculares (doença renal, problemas na retina e nervos periféricos).

  • Diarreia

    Condição que se caracteriza por um maior número de evacuações e pela perda da consistência das fezes, com risco de desidratação. Pode ser causada por infecções por vírus, bactérias e parasitas, bem como por medicamentos, intolerâncias alimentares ou mesmo por doenças crônicas intestinais ou problemas na motilidade do intestino.

  • Difteria

    Doença infectocontagiosa causada pela bactéria Corynebacterium diphtheriae, transmitida por gotículas de tosse, espirro ou saliva. Caracteriza-se por inflamação da garganta, com o surgimento de placas acinzentadas, febre e outros sintomas semelhantes aos de uma gripe. Pode afetar a epiglote, provocando obstrução das vias respiratórias. É prevenível por vacina.

  • Disfunção erétil

    Incapacidade persistente de o homem ter ou manter uma ereção suficiente para a atividade sexual. Pode decorrer de outras doenças e condições que afetam os vasos sanguíneos, como diabetes e colesterol elevado, além de ocorrer após cirurgias pélvicas, a exemplo da feita para tratar o câncer de próstata. A principal causa, no entanto, é emocional.

  • Doenças autoimunes

    Condições crônicas sistêmicas, decorrentes da produção de anticorpos que veem órgãos e tecidos do próprio organismo como invasores e os atacam, causando sintomas específicos. Entre os órgãos mais afetados por processos de autoimunidade estão as articulações e outras estruturas do sistema musculoesquelético, o pâncreas, a pele e o fígado.

  • Doença arterial periférica

    Condição marcada pela obstrução e pelo entupimento das artérias que levam o sangue aos membros inferiores (pernas e pés), o que ocorre devido à presença de placas de gordura nos vasos, processo conhecido como aterosclerose. A doença pode ser assintomática ou, ainda, o paciente sente dor ao caminhar. Outros sintomas incluem formigamento e fraqueza nas pernas.

  • Doenças cardiovasculares

    Nome dado a um conjunto de enfermidades que acometem o coração e os grandes vasos do sistema circulatório, ou seja, as artérias. Desenvolvem-se de forma semelhante, a partir da obstrução dos vasos por placas de gordura. É o que ocorre no infarto agudo do miocárdio e no acidente vascular cerebral (AVC) isquêmico, as mais incidentes doenças cardiovasculares.

  • Doença de Crohn

    Doença inflamatória crônica que acomete principalmente a parte inferior do intestino delgado, o íleo, e o intestino grosso, embora possa afetar parte do aparelho gastrointestinal. Os sintomas incluem diarreia persistente, dor abdominal, febre e perda de peso, além de um enfraquecimento progressivo, derivado da má absorção de nutrientes.

  • Doença renal crônica

    Perda gradual da função dos rins, geralmente decorrente de outras doenças, como diabetes e hipertensão arterial. Em estágios iniciais é frequentemente assintomática, porém, nas formas mais avançadas pode provocar mudança no volume e na cor da urina, inchaço nos olhos, tornozelos e pés, fraqueza, enjoo, vômitos e alteração da pressão arterial, entre outros.

  • Encefalite

    Inflamação que acomete o encéfalo, que configura o núcleo do sistema nervoso central e compreende, estruturas responsáveis por funções sensoriais, de memória, de movimento, de cognição e outras. É geralmente causada por vírus e provoca desde sintomas leves, como dor de cabeça e febre, até convulsões e sequelas permanentes.

  • Febre amarela

    Doença febril aguda decorrente da infecção por um flavivírus, transmitido pela picada de mosquitos das espécies Haemogogus (ciclo silvestre) e Aedes (ciclo urbano). Pode se manifestar com febre alta, dor de cabeça, náuseas e vômitos, entre outros. Na forma mais grave, costuma provocar insuficiência renal e hepática, icterícia, hemorragias e cansaço. Contudo, é prevenível por vacina.

  • Febre chikungunya

    Doença viral causada pela picada de mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus. Cursa de forma semelhante às demais arboviroses, como dengue e zika, com febre, dor de cabeça, manchas vermelhas e coceira na pele, mas se diferencia por dor e inchaço nas articulações dos membros superiores e inferiores, que podem se tornar crônicas em alguns casos.

  • Gonorreia

    Infecção sexualmente transmissível, causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae após contato íntimo sem preservativo com pessoa contaminada por esse agente. Provoca sintomas geniturinários tanto em homens quanto em mulheres, como dor ao urinar e corrimento. Sem tratamento, pode levar à esterilidade feminina.

  • Gripe

    Infecção decorrente da ação do vírus influenza, que tem vários subtipos. A transmissão se dá pelo contato com gotículas de tosse ou espirros, em geral nos meses mais frios. Diferentemente dos resfriados, provoca febre alta, dor de cabeça, de garganta e no corpo, falta de ar e tosse, que, no entanto, regridem em cerca de dez dias. É prevenível por vacina.

  • Hepatite B

    Infecção que acomete o fígado, provocada pelo vírus B da hepatite (VHB), que é transmitido sexualmente, da mãe para o feto e por ferimentos com objetos contaminados, incluindo agulhas de seringas. Manifesta-se com febre, mal-estar, vômitos e fadiga, bem como com sintomas mais específicos, caso de dor abdominal, urina escura, fezes claras e icterícia. Muitas vezes também pode ser assintomática.

  • Herpes genital

    Infecção sexualmente transmissível causada pelo vírus herpes-simples 2. Produz pequenas vesículas nos genitais, que podem ser precedidas por ardor, coceira, formigamento e gânglios aumentados. Essas lesões desaparecem espontaneamente em pessoas saudáveis, mas o vírus permanece no organismo, escondido num gânglio, sendo sempre capaz de gerar recaídas.

  • Hipotireoidismo

    Doença decorrente da baixa produção de hormônios da tireoide. Como esses hormônios regulam o metabolismo e diversas funções orgânicas, pode haver uma ampla gama de manifestações, que vão de pele seca e queda de cabelo, passando por constipação, até depressão e desaceleração dos batimentos cardíacos. A forma congênita é mais grave.

  • Hiperparatireoidismo primário

    Doença proveniente da produção excessiva de um hormônio pelas paratireoides, o paratormônio, que controla os níveis de cálcio na corrente sanguínea. Na maioria das vezes, a condição não causa sintomas, mas aumenta o risco de osteoporose, já que o cálcio que se acumula na circulação sai dos ossos, e a possibilidade de formação de cálculos urinários.

  • Hipertensão arterial

    Doença crônica caracterizada pelo aumento da pressão sanguínea, em valores iguais ou superiores a 140/90 mmHg. É um dos principais fatores de risco para perda da função renal, acidente vascular cerebral (derrames), doenças do coração, entre outros. Geralmente é assintomática e seu diagnóstico ocorre muitas vezes em consulta de rotina com o médico.

  • HIV SIDA /AIDS

    Sigla de síndrome da imunodeficiência adquirida, a aids configura o estágio mais avançado da infecção pelo vírus HIV, transmitido por via sexual, da mãe para o bebê e por objetos perfurocortantes contaminados. Manifesta-se pelo surgimento de infecções e cânceres que são naturalmente combatidos pelo sistema imunológico numa pessoa saudável.

  • Índice de massa corporal (IMC)

    Método validado pela Organização Mundial de Saúde para avaliar obesidade e desnutrição, sobretudo em grandes populações. Para calculá-lo, basta dividir o peso em quilogramas pela altura elevada ao quadrado. O resultado indica se as pessoas estão abaixo do peso ideal, se apresentam peso normal, se têm sobrepeso ou se sofrem de obesidade nos graus 1, 2 e 3.

  • Infarto agudo do miocárdio

    Obstrução de uma artéria que irriga o coração por um coágulo, que geralmente ocorre após a desestabilização de uma placa de gordura que se desenvolve nos vasos. Manifesta-se com dor no peito, sensação de aperto e queimação local, uma vez que o músculo cardíaco fica sem oxigênio e nutrientes quando esse evento ocorre. Em algumas situações, também pode ser assintomático. Trata-se de uma emergência médica.

  • Leucemia

    Doença maligna que decorre da proliferação descontrolada dos glóbulos brancos que tomam o lugar das células sanguíneas normais. Os sintomas podem incluir anemia, por causa da queda de glóbulos vermelhos, baixa imunidade, pela falta de glóbulos brancos saudáveis, e sangramentos, pelo número reduzido de plaquetas.

  • Neuropatia diabética

    Complicação associada ao diabetes, marcada pela degeneração dos nervos periféricos. É a causa de dois terços das amputações não decorrentes de traumas. Cursa com dor contínua, espontânea e excessiva diante de um estímulo mínimo ou que não causaria queixas, bem como sensação de ardência e formigamento. Esse quadro evolui para perda de sensibilidade.

  • Obesidade

    Condição caracterizada pelo acúmulo de gordura no corpo e diagnosticada pelo índice de massa corporal, ou IMC. Pode ser diferenciada em graus I, II e III de acordo com o IMC, o que tem relevância para o direcionamento do tratamento. Está associada a uma série de problemas de saúde, como hipertensão arterial sistêmica, apneia do sono e diabetes tipo 2.

  • Obesidade infantil

    Condição em que a criança se encontra acima da curva de peso esperada para sua idade e estatura. Está relacionada não somente com maus hábitos alimentares, mas também com falta de atividade física e com a herança genética. Aumenta o risco de ser obeso na vida adulta, o que representa um fator de risco para doenças cardiovasculares, entre outras doenças.

  • Otite

    Infecção na orelha externa ou na orelha média. Provém da ação de vírus e bactérias e afeta com mais frequência crianças, desencadeando dor de ouvido de forte intensidade, redução da audição, febre, falta de apetite e eliminação de secreção. Pode levar ao rompimento da membrana do tímpano.

  • Pneumonia

    Infecção que acomete os pulmões, provocada sobretudo por vírus, bactérias e fungos, e também substâncias inorgânicas e reações alérgicas. Manifesta-se com tosse, febre alta, dificuldade para respirar, produção de secreção purulenta e confusão mental, observada mais em crianças e idosos. A pneumonia por pneumococo pode ser prevenida por vacina.

  • Poliomielite

    Doença contagiosa aguda, causada pelo poliovírus, que pode infectar as pessoas por meio do contato com fezes ou secreções de indivíduos doentes. Produz sintomas inespecíficos, como febre, mal-estar, vômitos e diarreia, entre outros, mas pode evoluir para paralisias musculares. É prevenível por vacina, graças à qual o vírus não circula no Brasil desde 1990.

  • Pré-eclâmpsia

    Nome que se dá à hipertensão arterial da gravidez, que ocorre geralmente por volta de 20 semanas gestacionais, no terceiro trimestre. Além de elevar a pressão arterial, causa inchaço nos membros inferiores, ganho excessivo de peso e perda de proteína pela urina. Pode evoluir para eclâmpsia, uma forma mais grave da condição, com risco de vida para mãe e bebê.

  • Retinopatia diabética

    Complicação microvascular do diabetes, caracterizada pelo comprometimento de pequenos vasos da retina, a região do olho responsável por formar as imagens. Danificados, os microvasos se rompem e extravasam sangue nos olhos, comprometendo a visão. Sem tratamento nem controle do diabetes, a condição pode causar cegueira.

  • Rubéola

    Doença infecciosa bastante contagiosa, provocada pelo Rubella vírus, transmitido pelo contato com saliva e secreção nasal de pessoas contaminadas. Manifesta-se com manchas vermelhas pelo corpo, febre, aumento dos gânglios e sintomas semelhantes aos de uma gripe. Na gravidez, pode causar malformações no feto, o que se evita com vacinação.

  • Sarampo

    Doença infecciosa aguda, muito contagiosa, deflagrada por um vírus da família Morbillivirus e transmitida pela fala, tosse e espirro. Determina sintomas como febre alta, dor de cabeça, manchas vermelhas pelo corpo, tosse, conjuntivite, coriza e manchas brancas no interior da boca (sinal de Koplik). Pode ser grave em crianças pequenas, mas conta com vacina.

  • Sedentarismo

    Condição marcada pela falta de atividade física, que leva a um gasto calórico diminuído. Está associada a doenças cardiovasculares, ao diabetes tipo 2, a um sono de má qualidade, ao aumento da pressão arterial e do colesterol e à obesidade. Para evitar o sedentarismo, preconiza-se que as pessoas façam de 150 a 300 minutos de atividade física moderada por semana.

  • Sífilis

    Infecção causada pela bactéria Treponema pallidum, transmitida por via sexual, por transfusão ou contato com sangue e da mãe para o feto. Começa com feridas nos genitais, que desaparecem espontaneamente, e depois cursa com manchas vermelhas na pele, febre, gânglios aumentados e mal-estar. Sem tratamento, compromete vários órgãos – até o cérebro.

  • Síndrome dos ovários policísticos

    Distúrbio endócrino que se caracteriza pela elevada produção de hormônio nas mulheres e pelo surgimento de múltiplos microcistos nos ovários. Entre os sintomas estão ausência de ovulação, irregularidade menstrual, aumento do volume dos ovários, acne, surgimento de pelos em tórax, abdome e rosto, queda de cabelo e infertilidade.

  • Sobrepeso

    Condição caracterizada por peso acima do que é considerado normal, caracterizada pelo índice de massa corporal, ou IMC, entre 25 e 29,9. Sem nenhuma medida corretiva, como redução de ingestão calórica e prática de exercícios, a condição pode evoluir para a obesidade em diferentes graus.

  • Tabagismo

    Doença crônica em que há dependência da nicotina, presente nos produtos à base de tabaco, em especial o cigarro. É considerada uma condição clínica preocupante em pediatria porque 80% dos fumantes adquirem esse hábito antes dos 18 anos. Está associada ao desenvolvimento de vários tipos de câncer, além de ser um importante fator de risco para doenças cardiovasculares.

  • Tétano

    Infecção ocasionada pela toxina do bacilo Clostridium tetani, que consegue ingressar no organismo por meio de ferimentos. Causa rigidez muscular, que afeta sobretudo o pescoço, espasmos faciais e dificuldade para abrir a boca e engolir. Quando acomete os músculos respiratórios, pode paralisar a respiração. Apesar disso, é prevenível por vacina.

  • Toxoplasmose

    Infecção provocada pelo protozoário Toxoplasma gondii, presente em fezes de gatos, com o qual as pessoas se contaminam pela ingestão de água ou alimentos contaminados. Manifesta-se como uma gripe, mas é possível que passe despercebida. Contudo, pode trazer complicações para filhos de gestantes infectadas e pacientes imunocomprometidos.

  • Transtorno de déficit de atenção com hiperatividade

    Distúrbio neurobiológico que afeta crianças em idade escolar, marcado por desatenção, desassossego e impulsividade. Os sintomas incluem dificuldade para se concentrar, organizar a rotina e inquietação motora. O distúrbio impacta o convívio familiar e social, bem como o desempenho escolar.

  • Triglicérides

    Principal lipídio proveniente da alimentação, formado a partir da ingestão de pães, arroz, batata e massas, bem como de gorduras. Se, por um lado, configuram o estoque de energia do corpo humano, quando em altas concentrações na circulação sanguínea, aumentam o risco de doenças cardiovasculares e pancreatite.

  • Vitiligo

    Doença de pele que se caracteriza pela perda gradual de sua coloração, notada pelo surgimento de manchas brancas, devida à ausência ou à redução das células que produzem melanina, o pigmento que confere cor à pele. Essa despigmentação acomete qualquer área do corpo, até mesmo a boca, os olhos e o cabelo.