DaVita Saúde

Neste espaço, você encontra informações importantes para se cuidar e manter o seu bem-estar e o de sua família, em forma de dicas preparadas pela nossa equipe médica.

Nossa intenção é compartilhar conhecimento e cuidados para a promoção da sua saúde, buscando contribuir nos seus cuidados diários e hábitos, ajudando, assim, a prevenir possíveis doenças.

Como reduzir o risco de câncer de mama

15/04/2019

Diversos aspectos estão relacionados ao surgimento do câncer de mama, incluindo fatores biológicos, hormonais, genéticos e comportamentais. Muitos não podem ser modificados, como a idade. De cada cinco casos da neoplasia, quatro ocorrem em pacientes com mais de 50 anos. Contudo, naquilo que compete a cada mulher, há, sim, muito que fazer para evitar o desenvolvimento da doença – é o que médicos chamam de prevenção primária. O Instituto Nacional do Câncer (Inca) estima que seja possível reduzir o risco em até 30% com algumas mudanças no estilo de vida. Saiba como se prevenir contra o câncer de mama: Controle o pesoManter-se no peso ideal é uma estratégia de prevenção bastante importante, em especial na menopausa. As gorduras que sobram produzem estrógeno em excesso, numa fase em que as mulheres precisam menos dele porque os ovários já não funcionam. O estrógeno produzido pelo tecido gorduroso estimula a proliferação de células mamárias. Isso, somado ao estado inflamatório crônico gerado pela obesidade, cria um cenário próprio para a multiplicação desordenada de células mamárias malignas.   Faça atividade físicaExercitar-se beneficia todo o organismo e favorece a prevenção de diversas outras doenças, além do câncer de mama. A atividade física, quando feita regularmente e sob orientação, é essencial para a manutenção do peso ideal, impedindo a formação de um ambiente propício ao desenvolvimento de células mamárias malignas. Além disso, previne o envelhecimento celular. Evite bebidas alcoólicasO consumo de álcool está cada vez mais associado aos tumores de mama. Pesquisadores europeus e norte-americanos têm constatado que a ingestão de apenas uma dose por dia de qualquer bebida com mais de 10 gramas de álcool – por exemplo, uma taça de vinho – já aumenta o risco de câncer de mama em 5% e 9% na pré-menopausa e na menopausa, respectivamente. Especula-se que o fator por trás dessa relação também seja a produção estrogênica demasiada. Convém lembrar que o álcool ainda compromete outros órgãos, causa acidentes de trânsito e traz inúmeros prejuízos sociais quando usado de forma crônica. Mantenha uma alimentação balanceadaEstudos populacionais indicam que o consumo de uma dieta baseada em frutas, vegetais e grãos integrais reduz o risco de desenvolver câncer de mama, o que é maior quando esse hábito já vem da adolescência – mais um motivo para as garotas não rejeitarem a salada! Em comum, tais alimentos estão repletos de fibras, que contribuem para a saciedade e o controle do peso. Vale lembrar que esse cardápio também diminui o risco de outros cânceres, como de intestino, de esôfago, de próstata e de estômago, segundo o Inca. Diga sim à amamentaçãoSe você engravidar, faça o impossível para amamentar. Além de proporcionar inúmeros benefícios ao bebê, essa prática é considerada um fator protetor da saúde das mamas. De acordo com informações do Ministério da Saúde, o risco de ter câncer de mama cai 4,3% a cada ano de amamentação. O mecanismo de proteção não está bem esclarecido, mas se acredita que, pelo fato de não ovular nesse período, a mulher fica menos exposta à ação do estrógeno. Esse hormônio, afinal, guarda relação com a maioria dos casos de câncer de mama. Não fumeO cigarro está relacionado ao desenvolvimento de diversos tipos de câncer e de problemas cardiovasculares. Em relação aos tumores de mama, há evidências da participação do tabagismo no aumento do risco, mas os resultados ainda são contraditórios, no entender do Inca. De qualquer forma, vale também ficar bem longe desse hábito no contexto da prevenção da doença.

Saiba como é garantida a segurança do paciente

15/04/2019

Quando você utiliza qualquer serviço de saúde, espera que o médico e a equipe de enfermagem entendam suas queixas clínicas e ofereçam uma solução para atenuá-las, seja uma orientação, seja um procedimento mais invasivo, seja um exame de sangue ou de imagem, seja a administração ou a prescrição de medicamentos. Muito embora as instituições de saúde também tenham a expectativa de que tudo funcione a contento, sempre há um pequeno risco do que os especialistas chamam de evento adverso, ou seja, qualquer incidente que resulte em dano para o paciente, desde falhas em sua identificação, passando por lesões, como hematomas após coleta de sangue ou infusão de medicações, até erros em procedimentos cirúrgicos. De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o Brasil ainda tem uma alta incidência desses problemas, beirando os 10%, segundo estudos recentes. Procurando reduzir o número de eventos adversos no País, o Ministério da Saúde lançou, em 2013, o Programa Nacional de Segurança ao Paciente, seguindo o modelo da Organização Mundial de Saúde, que mantém a Aliança Mundial para a Segurança do Paciente. O objetivo da iniciativa é reduzir, para um mínimo aceitável, o risco de dano para quem recebe qualquer tipo de assistência à saúde, em qualquer ponto do território nacional. Além de estabelecer continuamente diversos protocolos de segurança, a Anvisa determinou, dentro do programa, a criação de Núcleos de Segurança ao Paciente, uma instância obrigatória, tanto nos serviços públicos quanto nos privados, para promover ações voltadas à segurança do paciente. Juntamente com atividades de prevenção, essa estrutura deve controlar e mitigar riscos, integrar setores de trabalho e articular processos e informações que impactam o indivíduo assistido.   Abril: mês da segurança do paciente Como o programa foi criado em 1º abril de 2013, muitas instituições de saúde dedicam justamente esse mês para reforçar os procedimentos a fim de garantir a segurança na abordagem do paciente e, assim, melhorar a qualidade do serviço como um todo. Entre os assuntos revisitados nessas ocasiões, podem estar, por exemplo, os protocolos de manuseio e descarte de material perfurocortante e aqueles que versam sobre segurança cirúrgica, apenas para citar alguns temas em foco. Para a Anvisa, tudo isso contribui para a qualificação dos processos de cuidado e da prestação de serviços nos estabelecimentos instalados no Brasil, o que permite oferecer maior segurança não apenas para quem recebe a assistência, mas também para quem a presta e para todo o ambiente em que ocorre o cuidado. O Núcleo de Qualidade e Segurança ao Paciente da DaVita está constantemente zelando pela integridade de seus pacientes, desde o momento em que adentram a recepção de cada unidade.   O que pode afetar a segurança do paciente Conheça alguns dos temas que merecem profunda atenção de quem trabalha para evitar eventos adversos na assistência à saúde: Higiene das mãos Aspectos relacionados a cirurgias Prescrição, uso e administração de medicamentos Transfusões de sangue e hemocomponentes Utilização de equipamentos e materiais Prevenção de quedas Prevenção de infecções relacionadas à assistência à saúde    

Mamografia substitui o autoexame das mamas?

08/04/2019

Quem já está na casa dos 30, 40 anos deve se lembrar dos folhetos explicativos que mostravam, há algumas décadas, o passo a passo do autoexame em campanhas sobre a prevenção do câncer de mama. Naquele momento, preconizava-se esse procedimento como uma estratégia essencial para a detecção precoce da doença. Mas vieram os avanços em Medicina Diagnóstica, especialmente na área de imagem. Com o surgimento da mamografia, capaz de flagrar tumores com milímetros, ainda em estágio inicial, por um baixo custo, as autoridades de saúde passaram a ser mais parcimoniosas com a recomendação do autoexame. Afinal, perto da mamografia, essa prática só consegue identificar sinais visíveis ou massas palpáveis, que, se confirmados como manifestações de um tumor maligno, já podem corresponder a um câncer num estágio mais avançado. Mas isso não significa que o autoexame tenha saído de cena. Os especialistas concordam em que a mulher deve reservar periodicamente um tempo para buscar qualquer alteração interna ou externa nas mamas, mesmo uma ligeira assimetria, fazendo uma palpação minuciosa e uma observação detalhada. Isso pode fazer diferença, por exemplo, no intervalo entre uma mamografia e outra – que geralmente é de um ano – ou mesmo numa região com pouca disponibilidade de serviços de saúde.   O fato é que o autoexame permanece importante, desde que integre um programa de rastreamento de câncer de mama. Quando isolado, não reduz a mortalidade pela doença, o que foi comprovado por estudos internacionais que envolveram milhares de mulheres. Assim, as sociedades médicas não desestimulam a estratégia, porém deixam claro que, para rastrear os tumores mamários, é indispensável realizar o exame clínico das mamas, durante a consulta com ginecologista ou mastologista, bem como os métodos de imagem indicados para cada mulher, notadamente a mamografia. Autoexame é válido, mas dentro desse pacote. Converse com seu ginecologista ou mastologista e saiba mais.

Anabolizantes: consequências e riscos à saúde

08/04/2019

A musculação é hoje a segunda atividade física mais praticada no Brasil, segundo pesquisa Vigitel, do Ministério da Saúde. De fato, essa modalidade tem indicação para jovens, adultos e idosos, uma vez que promove uma melhora da força, da circulação e do equilíbrio. Como os músculos consomem muita energia, a prática de exercícios resistidos ainda leva a um gasto calórico e, para completar, resulta num aumento da massa muscular, também chamada de massa magra. De olho nesse último benefício, muitos homens não se contentam com os resultados obtidos com o treinamento e recorrem a esteroides anabolizantes, que são os mais comuns, assim como ao hormônio do crescimento. Para ter uma ideia da frequência desse uso, um em cada 16 estudantes já utilizou tais substâncias, de acordo com levantamento realizado pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Feitos a partir do hormônio testosterona, os esteroides causam, sim, hipertrofia muscular, mas trazem uma série de efeitos paradoxais, ou seja, contrários ao que se esperaria de um hormônio masculino, como crescimento das mamas, redução dos testículos, disfunção erétil e diminuição dos espermatozoides. Isso ocorre porque, quando recebe muita testosterona artificial, o organismo a transforma em estrogênio, um hormônio feminino, por meio de um processo denominado aromatização, capitaneado por uma enzima. O excesso desse tipo anabolizante também bloqueia a secreção de dois hormônios que estimulam os testículos a produzirem espermatozoides e testosterona natural. Os efeitos, porém, não se restringem aos sistemas reprodutivo e endócrino, mas se espalham pelo organismo. Os esteroides ainda provocam acne importante, calvície e problemas no fígado, inclusive tumores, assim como efeitos que favorecem doenças cardiovasculares, como aumento da pressão arterial, elevação do colesterol, retenção de líquido no organismo e formação de coágulos, sem contar ainda as alterações de comportamento, a exemplo de agressividade e alucinações. Já os anabolizantes à base de hormônio do crescimento (GH) sintético, também conhecidos como somatropina, produzem aumento da massa magra e queima de gordura, mas igualmente à custa de riscos relevantes. Na prática, seus efeitos vão desde o surgimento do diabetes do tipo 2 e de reações alérgicas graves até o desenvolvimento de tumores malignos, alertam os especialistas. Uso clínico dos anabolizantes É importante salientar que a testosterona sintética tem uso clínico, mas em condições muito particulares. Entre elas, destacam-se os casos de deficiência do hormônio masculino, de desnutrição grave que causa emagrecimento muito rápido e no pós-operatório de grandes cirurgias que provocam desgaste físico, entre outras (poucas) situações. O GH, por sua vez, só é empregado em pacientes com deficiência na produção desse hormônio na infância e em determinadas síndromes genéticas em que podem promover um melhor crescimento para as crianças. Para a finalidade de hipertrofia muscular, vale o grifo, os médicos não prescrevem esteroides nem GH. É possível, no entanto, associar ao treinamento a ingestão de suplementos alimentares, que estimulam os músculos sem acarretar prejuízos ao organismo, desde que usados corretamente, ou mesmo seguir uma dieta com alimentos que comprovadamente ajudam a formar massa magra. Converse com um médico ou com um nutricionista e descubra o que fazer para atingir seus objetivos nos treinos de musculação.   Fontes:Sociedade Brasileira de Endocrinologia e MetabologiaMinistério da SaúdeEndocrinologistasMédicos do esporte

Exercícios físicos geram benefícios à saúde mental

01/04/2019

Não é segredo que a atividade física tem mil e uma utilidades no que diz respeito à saúde. A prática regular de exercícios participa de forma bastante relevante na prevenção de doenças cardiovasculares, que são a principal causa de morte no mundo todo, promove um funcionamento mais harmônico de todos os órgãos e, claro, melhora a forma e a disposição, entre muitos outros benefícios ao corpo. Não é à toa que boa parte das pessoas, quando começa algum programa de treinamento tem, como propósito, emagrecer ou tratar – isso mesmo – outras enfermidades. Por exemplo, em associação a uma dieta equilibrada, os exercícios regulares podem manter os índices de glicemia controlados em pacientes com diabetes tipo 2, diminuindo ou reduzindo a necessidade de medicamentos. Se esses efeitos são incontestáveis, cada vez mais se associa o trabalho corporal à manutenção da boa saúde mental. Além de a atividade física fazer o cérebro liberar endorfina, o “hormônio da felicidade”, e outros neurotransmissores associados ao bem-estar, os exercícios, segundo os especialistas, parecem estimular o crescimento de células nervosas no hipocampo, área que regular o humor e que, em pacientes com depressão, é menor, quando vista em exames de imagem. Contudo, se a liberação de substâncias que conferem satisfação ocorre logo após o treino, o impacto da malhação na regeneração neuronal de um cérebro deprimido depende da regularidade da prática. Exercícios como antídoto contra a depressão As linhas de pesquisa demonstram ainda que os exercícios não apenas contribuem para tratar, como também para prevenir transtornos de humor. Um estudo publicado pelo The American Journal of Psichiatry no ano passado mostrou que movimentar o corpo exerce um efeito protetor contra a depressão em indivíduos saudáveis, independentemente da idade da pessoa e da região geográfica em que vive. Feito por pesquisadores de quatro universidades brasileiras e sete estrangeiras, esse estudo reuniu informações de 49 trabalhos e analisou dados de 265 mil pessoas, de 20 países. Outros benefícios dos exercícios físicos Além dos mecanismos neuronais e bioquímicos, os exercícios interferem em outros fatores que impactam a saúde mental. Reduzem os efeitos do estresse do dia a dia, o que dispensa explicações, e elevam a qualidade do sono, permitindo que o indivíduo ingresse em suas fases mais profundas e possa acordar mais relaxado e disposto. Por último, mas não menos importante, a prática de atividades físicas favorece igualmente o ganho de autoestima, uma vez que modela o corpo, e, sobretudo quando feita em grupo, possibilita interações com outras pessoas, tirando o indivíduo do isolamento. Uma coleção de motivos para ficar de bem com a vida. Lembre-se sempre de procurar um médico antes de começar a se exercitar. O efeito da atividade física no corpo Contribui para o bom funcionamento dos órgãos, sobretudo do sistema cardiorrespiratório Ajuda o intestino a funcionar bem Previne doenças, tais como problemas cardiovasculares, diabetes, osteoporose e reumatismo, entre outras, além de ser adjuvante em seu tratamento Contribui para a perda de gordura e o ganho de músculos Ajuda a equilibrar a ingestão de calorias e o gasto de energia  

Câncer: tire suas dúvidas sobre a doença

01/04/2019

Tipos de Câncer   As células normais do corpo humano O corpo humano é composto por trilhões de células vivas, que crescem, têm uma divisão ordenada e morrem. Na fase adulta, a maioria delas se divide para substituir células desgastadas ou para reparar danos.   Como o câncer começa O câncer resulta de uma multiplicação celular desordenada. Esse crescimento é diferente do normal, pois, em vez de morrer, a célula continua formando unidades anormais. Essas células cancerosas crescem e invadem outros tecidos, algo que as normais não fazem. Além disso, são capazes de formar novos vasos sanguíneos para receber oxigênio e nutrientes e driblar nosso sistema imunológico. Algumas chegam a se desprender desse tumor inicial, caem na corrente sanguínea ou nos vasos linfáticos e dão origem a novos tumores em órgãos distantes, o que os médicos chamam de metástases.   Por que o câncer ocorre A multiplicação desordenada de células pode ser desencadeada por motivos biológicos internos, como herança genética, envelhecimento celular ou doenças do próprio organismo, ou por motivo externo, como o ambiente. Em muitos casos, a causa do câncer ainda é desconhecida e a doença pode se desenvolver em qualquer tecido ou órgão. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a exposição solar, o tabagismo, o sedentarismo e a alimentação inadequada são os principais fatores ambientais que favorecem o surgimento de tumores.   Novas perspectivas Com base nos dados do Inca, foram estimados, no Brasil, aproximadamente 600 mil casos novos de câncer no ano de 2018. A importância de um diagnóstico precoce, com exames clínicos e rastreamento de rotina, pode fazer com que a história dessa doença tenha um desfecho muito favorável na grande maioria das vezes, alcançando melhores resultados no tratamento e, em muitos casos, até a cura. Dessa forma, a necessidade de acompanhamento médico periódico e realização de exames específicos faz toda a diferença na vida do paciente.   O papel da genética Em aproximadamente 10% dos casos, o fator que altera o material genético, levando à predisposição ao surgimento de câncer, é herdado do pai, da mãe ou de ambos, os quais, por sua vez, o herdam de gerações anteriores. São os cânceres hereditários, que incluem alguns casos de tumor de mama, ovário, intestino, tireoide e rim, entre outros. Com a evolução da Medicina Genética, hoje podem ser identificadas alterações em determinados genes por meio de exames de DNA. A detecção dessas mutações permite intervir no rumo da doença e, em algumas circunstâncias, até evitar seu aparecimento. Como exemplo, podemos referir o câncer de mama e ovário, no qual se observam mutações nos genes BRCA1 e BRCA2.   Avanços terapêuticos Conhecer o câncer em profundidade possibilita escolher o melhor tratamento para o paciente. Tradicionalmente, o tratamento dos diversos tipos de câncer baseia-se na quimioterapia, na radioterapia e em cirurgias. Enquanto a quimioterapia, criada em 1970, ataca todas as células de crescimento rápido do corpo, trazendo resultados muito aquém dos esperados, com efeitos colaterais penosos para o paciente, o surgimento de novas modalidades terapêuticas vem mudando esse cenário, com resultados surpreendentemente superiores à quimioterapia e ainda com efeitos colaterais imensamente menores, promovendo uma qualidade de vida excepcional. São eles: -Os agentes antiangiogênicos, que promovem o bloqueio dos vasos sanguíneos do tumor, impedindo seu crescimento. -Os agentes imunoterápicos, que estimulam o sistema imunológico a atacar especificamente as células cancerígenas e vêm se destacando em alguns tipos de câncer, como o melanoma, o renal e o de pulmão. -E, o que parece ser o maior dos avanços atuais, o surgimento do tratamento personalizado para cada tipo de câncer, chamado de terapia-alvo.  Trata-se de uma modalidade que surgiu por meio do melhor entendimento da ação dos genes, das proteínas e de moléculas presentes nas células tumorais. Na prática, esses medicamentos identificam e atacam características específicas das células cancerígenas, bloqueando o crescimento e a disseminação do câncer. Alguns exemplos da aplicação dessa terapêutica: Câncer de mama – Cerca de 20% a 25% dos casos da doença têm a proteína denominada receptor do fator de crescimento epidérmico humano 2 (HER2), que estimula o crescimento das células tumorais. Assim, em pacientes com câncer de mama invasivo, recomenda-se que sejam realizados testes para HER2. Se os resultados mostram que o tumor é positivo para essa proteína, vários medicamentos podem ser utilizados como opções de tratamento. Câncer colorretal – Medicamentos que bloqueiam o receptor do fator de crescimento epidérmico (EGFR), que, muitas vezes, é produzido em excesso nesse tipo de câncer, podem ser eficazes para parar ou retardar o crescimento do tumor colorretal, desde que este não tenha uma mutação no gene KRAS. Além disso, a terapia-alvo pode ser direcionada para o fator de crescimento endotelial vascular (VEGF), uma proteína que ajuda a formar novos vasos sanguíneos. Câncer de pulmão – Medicamentos que bloqueiam o EGFR podem ser eficazes para deter ou retardar o crescimento desse câncer, especialmente se o gene EGFR contiver determinadas mutações. A terapia-alvo também está disponível para tratar o tumor de pulmão acionado pelo gene ALK mutado. Melanoma – Aproximadamente 50% dos melanomas têm um gene BRAF mutante ou ativado. Pesquisas recentes mostraram que alterações específicas nesse gene funcionam como bons alvos para fármacos. Leucemia mieloide crônica – É causada por uma lesão genética específica, denominada BCR-ABL ou, ainda, cromossomo Filadélfia. Vários medicamentos foram criados para atacar especificamente essa alteração genética, como imatinib, dasatinib e nilotinib. Notavelmente, esses tratamentos podem ser administrados por via oral, têm poucos efeitos colaterais e alguns pacientes podem ser efetivamente curados.   Apesar de o cenário de tratamento do câncer estar se transformando a cada ano, é importante também buscar um estilo de vida saudável, não fumar, ingerir bebidas alcoólicas com muita parcimônia, manter uma dieta equilibrada, rica em fibras e alimentos frescos, controlar o peso, fazer exercícios regulares e se proteger do sol. Esse conjunto de medidas, segundo o Inca, pode ajudar a prevenir pelo menos uma parcela de todos os casos de câncer que ocorrem a cada ano. Faça a sua parte.   Fontes: AC Camargo Instituto Nacional do CâncerOncoguia

Meu Filho Não Quer Comer. O Que Faço?

28/03/2019

Se as sociedades médicas, por um lado, estão preocupadas com as taxas crescentes de obesidade, por outro, muitos pediatras são confrontados com um relato comum nas consultas de acompanhamento: “Meu filho não come, doutor, não come nada”. A hora da refeição, que deveria ser um momento feliz e prazeroso para a família, vira um campo de batalha. Mas essa queixa não deveria tirar (tanto) o sono dos pais – em especial da mãe, que tem uma necessidade intrínseca de alimentar a criança porque o fez desde o nascimento do bebê, por meio da amamentação. Isso porque, de acordo com os especialistas, a demanda de energia dos pequenos realmente muda conforme o tempo passa. No primeiro ano de vida, o bebê come bastante porque se desenvolve muito rapidamente. Aos 5 meses de idade, o peso, em geral, é o dobro daquele registrado ao nascimento e, entre 11 e 12 meses, o triplo. No segundo ano de vida, o crescimento continua acelerado, mas vai perdendo velocidade até alcançar um ritmo mais lento, dos 3 aos 10 anos. O apetite, portanto, acompanha essa necessidade do organismo. Alimentação para crianças: qualidade vs. quantidade Assim, se seu filho não come nada – os pediatras dizem que alguma coisa sempre comem, sejam as mamadeiras, sejam os petiscos – e continua crescendo de forma adequada, esse comportamento não deve preocupar, relaxe. Continue insistindo naturalmente, levando em conta que aos pais cabe determinar a qualidade, ou seja, o que os pequenos vão comer e quando, mas a quantidade, quem decide, é a criança. Quando cresce, faz birra, protesta e fica agitada se for obrigada a comer. Evidentemente, uns dias serão melhores, outros piores, conforme o cardápio e o paladar da criança. Não adianta cair na tentação de fazer rotineiramente só o que eles aceitam porque essa tática, além de cansativa, cria uma fobia por tudo quanto seja novo e ainda reduz a qualidade da dieta. Ora, uma alimentação pouco variada pode ocasionar deficiência de nutrientes necessários. Dessa forma, as principais refeições devem ser compostas por comidinhas que contenham todos os grupos de alimentos, ou seja, carboidratos, leguminosas, proteínas, folhas, raízes e frutas – que, vale assinalar, permitem uma ampla variação de cardápio ao longo da semana. Se os pequenos comerem apenas uma colherada de cada preparação, pode acreditar, o dia estará ganho. Veja aqui outras dicas e, na dúvida sobre a origem da falta de apetite da criança, converse com o pediatra.   Alimentação dos pequenos: como construir uma boa relação com a comida - A partir dos 6 meses, coloque a criança para fazer as principais (ou possíveis) refeições com os demais membros da família. O ideal é que os intervalos entre uma e outra sejam de três a quatro horas. - Adapte o assento dos pequenos à mesa de jantar, de forma que fiquem limitados a esse espaço – pode ser o cadeirão, se ainda for bebê. - Desligue os eletrônicos de modo geral. Uma sopa de feijão não consegue competir com um personagem que responde a estímulos no tablet. - Ofereça à criança a mesma preparação que a família está comendo e deixe-a por conta própria. - Experimente dispor pedaços da comida ao alcance do bebê – se ele põe tudo na boca, por que não vai fazê-lo com os alimentos? - Para os que já comem com talheres, sirva porções pequenas, do tamanho do punho da criança. - Insista na oferta de novos alimentos. Os especialistas recomendam apresentar as novidades repetidamente à criança, de 10 a 15 vezes, antes de desistir. - Não prolongue a refeição por mais de meia hora e aguente firme a bagunça. Será por uma ótima causa.     A Organização Mundial de Saúde recomenda a amamentação exclusiva até os 6 meses de idade.

Epilepsia: dá para viver bem com a doença

28/03/2019

O que o escritor brasileiro Machado de Assis, a heroína francesa Joana D’arc, o escritor russo Fiódor Dostoiévski, o pintor holandês Vincent van Gogh e o escritor francês Gustave Flaubert tinham em comum? Há relatos de que todos viviam com epilepsia, doença neurológica caracterizada por descargas elétricas anormais e em excesso no cérebro, que desencadeiam crises repentinas, com alterações ou perda da consciência, torpor, alucinações e convulsões – estas marcadas por contrações musculares e movimentos involuntários. Se estivessem entre nós, essas celebridades integrariam os 50 milhões de portadores da doença que existem no planeta, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 3 milhões dos quais no Brasil. E que procuram tocar suas vidas normalmente, não obstante o estigma que a epilepsia continua carregando. Desde a Antiguidade, afinal, a condição já foi associada a forças sobrenaturais e à possessão espiritual, à loucura e até a moléstias contagiosas. Nos Estados Unidos, acredite, até os anos 70 o acesso a restaurantes, teatros, centros recreativos e outros locais públicos não era permitido a esse grupo. E, ainda hoje, alguns países refletem o desconhecimento em leis e costumes. Segundo a OMS, China e Índia, por exemplo, permitem a anulação do casamento se um cônjuge alegar a epilepsia do esposo/esposa como motivo. Mas por que tudo isso? Ocorre que a doença mina a sensação de controle que julgamos ter sobre nós mesmos. Embora possa ser precipitada por alguns fatores, a crise é capaz de chegar a qualquer momento e subjugar completamente o portador. As pessoas em volta não raro se assustam, alimentadas pela ignorância em relação ao assunto, e muitas vezes não sabem o que fazer.   Outros tempos para o tratamento da epilepsia Hoje se sabe que a epilepsia é uma doença complexa, na verdade uma disfunção na comunicação entre as células nervosas, que ocorre devido a fatores como predisposição genética, traumas durante ou após o parto, malformações e até sequelas de acidente vascular cerebral e de infecções, como a meningite. Numa situação de normalidade, os neurônios se comunicam e se organizam usando suas propriedades excitantes e inibidoras. No momento da crise, porém, há um processo acelerado de excitação que se propaga de um neurônio para outro, sem interrupção, como se eles estivessem em rebelião. Se, no passado, havia escassas tentativas terapêuticas, as coisas melhoraram muito atualmente. Segundo a Liga Brasileira de Epilepsia, 70% dos casos podem ser tratados de forma bem-sucedida com medicamentos. A ponto de, depois de um tempo variável de tratamento, a medicação poder até ser suspensa em alguns casos, dependendo do tipo de epilepsia. O diagnóstico também evoluiu, muito embora o clássico eletroencefalograma – exame que capta o ritmo das ondas cerebrais – continue sendo o método de escolha para avaliar esses pacientes. A questão é que, graças às descobertas da ciência, os neurologistas já sabem que cada tipo de epilepsia responde melhor a determinado fármaco, o que permite individualizar a prescrição, que pode ser selecionada dentre mais de duas dezenas de anticonvulsivantes existentes. De qualquer forma, ainda persistem os casos resistentes aos medicamentos, nos quais a cirurgia costuma ser uma opção. O fato é que algum caminho sempre pode ser tentado quando se procura ajuda médica especializada. Inaceitável, nos dias atuais, é se isolar e deixar de aproveitar a vida por causa da condição.   Dá para fazer de tudo com epilepsia? O portador de epilepsia bem controlada pode fazer tudo que qualquer um faz: estudar, trabalhar, praticar esportes, namorar, constituir família... Apenas deve evitar o que favorece crises, como privação de sono, luzes estroboscópicas – utilizadas em danceterias – e uso de álcool, mesmo durante o tratamento. A condução de veículos de passeio é permitida pelo Detran, desde que se corrobore, com laudo médico, que a pessoa está há 12 meses sem crises na vigência de anticonvulsivante ou, quando já não toma mais remédio, que se encontra há dois anos sem crises após a suspensão da medicação. Nesse último caso, a retirada do medicamento deve contar com, no mínimo, seis meses – e, claro, não pode ter havido nenhuma crise nesse período. A gravidez também está liberada, mas deve ser planejada, segundo os especialistas, com antecedência de um ano e contar com uma ampla interação entre obstetra e neurologista. Ocorre que alguns anticonvulsivantes têm potencial de causar malformações fetais e, para reduzi-lo, pode haver necessidade de troca da medicação ou redução de sua dose, o que precisa ser feito sempre antes da concepção. Da mesma forma, o uso do ácido fólico, que previne defeitos do tubo neural no bebê, costuma ser implementado nessa fase prévia à gestação. Praticar atividade física é mais do que recomendado para portadores da doença. Uma pesquisa da Universidade Estadual de Campinas concluiu que os exercícios aumentam a autoestima, a resiliência e a qualidade de vida desses indivíduos, além de reduzirem sintomas depressivos, comuns em pessoas com epilepsia (link para matéria de Atividade física e humor). Apenas as modalidades aquáticas devem ser praticadas ao lado de um instrutor. Já os esportes radicais são pouco incentivados porque, mesmo em dupla, há risco de acidentes em caso de crise. Para outros esclarecimentos, procure um neurologista. Epilepsia: o que fazer ao presenciar uma crise - Mantenha a calma e procure tranquilizar quem estiver por perto.- Se possível, evite que a pessoa caia bruscamente no chão e a coloque num local onde ela não possa se machucar, mas não tente impedir os movimentos involuntários.- Coloque alguma peça macia sob a cabeça do indivíduo.- Procure acomodar o paciente de lado, de forma que não haja risco de aspiração de excesso de saliva ou vômito.- Não coloque a mão na boca da pessoa para desenrolar a língua. Isso é mito e pode acabar em mordida.- Quando o episódio cessar, conte o que ocorreu e se ofereça para chamar um familiar.

Conheça Mitos E Verdades Sobre A Mamografia

19/03/2019

Uma vez que o câncer de mama é o segundo mais frequente entre as mulheres, a campanha Outubro Rosa surgiu na década de 1990 com o objetivo de falar sobre a doença e incentivar a população feminina a procurar serviços de saúde para fazer consultas e exames de rastreamento. Entre eles, o destaque fica por conta da mamografia, que comprovadamente reduz a mortalidade pelo câncer de mama por conseguir detectar o tumor em estágio inicial, numa fase em que as chances de cura são maiores. No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer e o Ministério da Saúde recomendam a realização do exame a partir de 50 anos para mulheres sem histórico da doença na família, enquanto o Colégio Brasileiro de Radiologia sugere fazer a primeira avaliação mamográfica a partir dos 40 anos. Na prática, porém, vale a indicação de seu médico. Apesar de a mamografia ser um exame simples, não invasivo, o assunto ainda gera dúvidas, que a DaVita ajuda a esclarecer nesta oportunidade. Não tenho nódulos nem alterações nas mamas, então estou dispensada da mamografia.Mito. A mamografia procura justamente alterações milimétricas, que podem corresponder ao câncer de mama em estágio inicial, quando tem maiores chances de cura. Quando o nódulo está palpável ou a mama se encontra visivelmente alterada, existe a possibilidade de se tratar de um tumor em estágio mais avançado e, por conseguinte, mais difícil de tratar. Não preciso fazer o exame porque ninguém da minha família teve câncer de mama.Mito. A maioria dos casos de câncer de mama não é hereditária. Portanto, toda mulher pode vir a desenvolver a doença e, dessa forma, deve fazer o estudo mamográfico para rastreá-la quanto antes. Mantenho um estilo de vida saudável e não preciso me preocupar com o risco desse câncer.Mito. Apesar da importância de bons hábitos de vida para diminuir o risco de qualquer tumor, isso não basta para prevenir a neoplasia de mama, cujo surgimento está relacionado também a fatores genéticos e hormonais, sobre os quais temos pouco ou nenhum controle. A radiação emitida pelo exame pode fazer mal.Mito. Só há contraindicações em caso de gravidez, condição mais difícil na faixa etária em que se indica a mamografia. Fora dessa circunstância, o exame está liberado, pois a radiação que emite é muito baixa e insuficiente para causar problemas em outros órgãos do corpo. A mamografia causa desconforto.Verdade. Mesmo não sendo invasivo, o exame comprime as mamas entre duas placas, o que, para determinadas mulheres, gera incômodo, embora tolerável. De qualquer forma, é possível tornar a mamografia menos desconfortável, marcando-a no começo do ciclo menstrual, quando as mamas estão menos sensíveis. Há médicos que recomendam a ingestão de um analgésico simples antes do exame. Converse com o seu e veja o que ele também pode sugerir nesse sentido. Como tenho mamas pequenas, o exame será doloroso.Mito. O eventual desconforto com a compressão das mamas não está relacionado a tamanho, mas à sensibilidade individual de cada mulher. A prótese mamária torna a mamografia menos eficaz.Verdade. Mas não significa que o exame não deva ser feito, e, sim, eventualmente complementado com outro método de imagem, se assim for indicado pelo médico. Se você tem mais dúvidas, não deixe de esclarecê-las com um ginecologista ou mastologista antes da próxima mamografia.

Atividade Física Para Crianças: Importância E Benefícios

14/03/2019

Em qualquer nível social, as telas vêm dominando a preferência da garotada. No pátio da escola, dentro de casa, na rua, no parque, no transporte coletivo ou no carro, crianças e adolescentes estão permanentemente com os olhos abaixados e os dedos ocupados em celulares, tablets e joguinhos de toda sorte. Os especialistas alertam que, além de favorecer o sedentarismo, um fator de risco para diversas doenças na vida adulta, esse comportamento compromete o convívio social, levando ao isolamento. Preocupada com esse cenário, já que 7,3% das crianças brasileiras com menos de 5 anos estão acima do peso, a Sociedade Brasileira de Pediatria lançou, em 2017, um manual de orientação para promover a atividade física na infância e na adolescência e para ajudar médicos e educadores, incluindo pais, a encaminhar os pequeninos e jovens para a prática diária de exercícios físicos. Atividades físicas de acordo com a idade da criança Segundo o documento, até os 2 anos de idade, as crianças precisam ser estimuladas a se movimentar diversas vezes ao dia, engatinhando, buscando objetos e movendo membros do corpo. Eletrônicos – incluindo TV – são contraindicados para essa faixa etária. De 3 a 5 anos, as brincadeiras e atividades de qualquer intensidade devem ocupar pelo menos 180 minutos diários, incluindo bicicleta, esconde-esconde, pega-pega, bola, etc. Nessa fase, opções como lutas, danças e natação já podem começar a ser introduzidas. Dos 6 aos 19 anos, por fim, a recomendação é de uma hora por dia de prática de esportes e exercícios mais intensos, que demandem um pouco mais da capacidade cardiorrespiratória – dependendo da modalidade, vale questionar o pediatra sobre a necessidade de avaliação médica prévia. Adolescentes têm sinal verde para fazer musculação até três vezes por semana, desde que com o acompanhamento de um educador físico. Claro que nem sempre os pais têm tempo e mesmo recursos financeiros para ajudar os filhos a cumprir essas metas. Muitas vezes, as próprias demandas escolares lotam a agenda dos pequenos e dos adolescentes. Contudo, diante do fácil acesso aos eletrônicos, geralmente o grande empecilho é mesmo conseguir a adesão da criança ou do jovem quando eles finalmente estão livres. Para mudar essa rotina, confira as dicas a seguir e aproveite a próxima consulta com o pediatra para conversar a respeito. Dicas para tirar a garotada do sofá - Estabeleça um limite máximo de duas horas por dia de exposição às telas, incluindo televisão, e mude a maneira como seus filhos as utilizam, substituindo uma pela outra. É nesse meio-tempo que devem entrar outras atividades. - Aproveite as vantagens dos eletrônicos. Use com as crianças aplicativos que incentivam o progresso em determinados exercícios – como o contador de passos do celular – e games baseados em movimentos, como os de esportes e dança. - Abra espaço para brincadeiras dentro de casa. Reserve alguns dias – especialmente os chuvosos – para transformar a sala num circuito, com túneis de caixas de papelão, pula-pula nas almofadas, colchões para cambalhotas e por aí afora. Tudo com supervisão, evidentemente. Se puder incluir os amiguinhos, fica melhor ainda. Depois, ponha todo mundo para organizar a bagunça que isso também consome energia. - A propósito, distribua tarefas domésticas em casa. Colaborar na rotina do lar é importante para desenvolver o senso de responsabilidade dos pequenos e ajudar na construção de sua autonomia. De quebra, ainda faz a criança se movimentar pela casa. - Exemplo funciona mais que mil palavras. Se você se exercita regularmente, mostre às crianças que não há tempo feio que iniba você de malhar. Dessa forma, desde cedo vão perceber que a atividade física ocupa um lugar prioritário na rotina da família e aderir naturalmente a uma vida ativa. - Sempre que possível, deixe o carro na garagem e faça os percursos a pé com as crianças e os jovens. Estudantes que vão e voltam da escola caminhando já cumprem boa parte da meta de atividade semanal preconizada pelos especialistas.

Os benefícios do sol para a saúde

14/02/2019

Está certo que a exposição solar em excesso causa queimaduras, câncer de pele e envelhecimento precoce.  Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), 30% dos tumores malignos no Brasil são câncer de pele, com uma estimativa de 165,5 mil novos casos do tumor não melanoma entre os anos 2018-2019.  Mas, apesar dos cuidados que inspira, o sol está longe de ser um vilão para a saúde. Um dos benefícios mais importantes proporcionados pelo astro-rei é a produção de vitamina D, essencial para consolidar a absorção de cálcio e manter os ossos saudáveis. Há poucos alimentos ricos nesse nutriente e, na prática, sua maior fonte é mesmo a exposição solar por 20 minutos, sem filtro de proteção – sempre nos períodos de menor incidência dos raios UVA e UVB, vale o grifo, antes das 10 horas e depois das 16 horas –, o que permite a obtenção de 10.000 unidades de vitamina D, a meta diária para um adulto. Tomar sol ainda contribui para fortalecer o sistema imunológico, igualmente por ação da polivalente vitamina D, e atua como adjuvante no tratamento de doenças de pele, como vitiligo, já que os raios solares estimulam a produção de células que fabricam pigmentos, que não funcionam bem em portadores dessa doença. No campo da saúde mental, a luz solar também oferece contribuição ao ajudar no controle da depressão. Isso porque, ao ser exposto ao sol, o cérebro reduz a produção de melatonina, hormônio que causa relaxamento e sonolência e que, em excesso, pode levar o indivíduo a se ensimesmar. Ao mesmo tempo, o sol promove um incremento na síntese de serotonina, um neurotransmissor associado ao bem-estar, melhorando o humor. Fotoproteção Apesar dessas qualidades, não dá para abrir mão da fotoproteção. Se é possível dispensar o protetor solar para obter a cota diária de vitamina D naqueles poucos minutos, fora dessa circunstância a Sociedade Brasileira de Dermatologia preconiza o uso de FPS 30, no mínimo, tanto para sair diariamente à rua quanto para exposições mais prolongadas, na praia, na piscina ou no campo, nesses casos com reaplicações a cada duas horas ou, então, após entrar na água ou transpirar demasiadamente. Essa recomendação não vale apenas para pessoas de pele mais clara, mas também para indivíduos de pele negra. Contudo, por conterem maior quantidade de melanina, que funciona como uma proteção natural, os afrodescendentes podem usar um produto com FPS menor, mas nunca inferior a 15. O filtro solar deve ser utilizado em bebês apenas a partir dos 6 meses de idade, em forma de produtos específicos à pele da criança, prescritos pelo médico pediatra ou dermatologista. É importante lembrar que a conscientização da fotoproteção deve começar desde a infância e a adolescência para evitar os efeitos nocivos do sol ao longo dos anos. Além do filtro solar, a Sociedade Brasileira de Dermatologia recomenda o uso de outros acessórios para se proteger do sol, como boné e chapéu, assim como o de camisetas de algodão nas atividades ao ar livre, pois estas roupas bloqueiam a maior parte da radiação ultravioleta. Óculos escuros são essenciais também para prevenir catarata e outras doenças nos olhos. Na praia, vale utilizar ainda barracas de lona ou de algodão, que absorvem pelo menos metade da radiação ultravioleta, de acordo com a entidade. De qualquer forma, mesmo com filtro solar e a paramentação necessária, onde quer que seja o cenário, invariavelmente é mais seguro encarar o sol antes das 10 horas e depois das 16 horas, além de se manter sob a sombra sempre que possível. Para quem quer se bronzear, esse objetivo vai ser alcançado do mesmo jeito, mas sem agressão à pele nem risco de lesão maligna. Consulte um dermatologista ao menos uma vez por ano para fazer um check-up da pele ou sempre que tiver alguma queixa.