Novembro Azul

O câncer de próstata é o tumor maligno mais frequente nos homens, depois do câncer de pele não melanoma. Ele surge a partir da multiplicação desordenada das células dessa glândula. Quando diagnosticada precocemente, a doença pode ser tratada com maior chance de sucesso.

Para isso, é importante realizar exames periódicos, já que, na sua fase inicial, o tumor não apresenta sintomas ou só provoca queixas urinárias que também podem ser indícios de doenças benignas da próstata.

Com o exame de toque retal, que permite ao médico identificar alterações na próstata, combinado ao exame de sangue de dosagem do antígeno prostático específico (PSA), é possível detectar a doença com 90% de eficácia.

E quando é preciso começar a fazer esses exames? A idade figura como o principal fator de risco. Cerca de 75% dos casos são diagnosticados em indivíduos com mais de 65 anos. Portanto, mesmo quem não sentir qualquer problema urinário deve consultar um urologista a partir dos 50 anos.

É possível prevenir o câncer de
próstata?

Como muitos cânceres, o de próstata está relacionado com o avanço da idade, com histórico familiar e até com etnia – afrodescendentes têm maior chance de apresentar a doença. Contudo, existe a possibilidade de reduzir os riscos associados a fatores comportamentais.

Faça a lição de casa:

  • Mantenha uma alimentação saudável.
  • Procure ficar no peso adequado para sua estatura.
  • Pratique atividade física regularmente.
  • Não fume.
  • Evite o consumo de bebidas alcoólicas.
  • Não passe mais de um ano sem fazer um check-up, sobretudo a partir dos 40 anos.

Consultas que você pode fazer:

Proctologia

A Proctologia é a especialidade que trata clínica e cirurgicamente os problemas do intestino grosso, do reto e do ânus, como hemorroidas, diverticulite, constipação e tumores locais, entre outros.

Urologia

De uma maneira geral, a partir de meados da quinta década de vida, todo homem deve passar por consultas preventivas com um urologista, o médico que se ocupa das doenças do sistema reprodutor masculino, incluindo o câncer de próstata. Esse profissional também está habilitado para indicar tratamento e orientação para problemas sexuais, como ejaculação precoce e disfunção erétil.

Saiba Mais Marque sua consulta

Saiba mais sobre o assunto

Outubro Rosa
Novembro Azul
09/11/2020

O que esperar do tratamento do câncer de próstata?

Ao receber o diagnóstico de câncer de próstata, milhares de questionamentos assolam a cabeça dos pacientes, os quais vão das dúvidas quanto à sobrevida, passando pela insegurança em relação a procedimentos invasivos, até o receio de sequelas pós-tratamento.  A comparação com os tumores que incidem sobre o sexo feminino, em especial o de mama, é inevitável. Também no caso da doença prostática, quanto mais cedo for o diagnóstico, menos extensas serão as intervenções. Há homens, inclusive, que nem são candidatos a terapias, mas se enquadram na chamada vigilância ativa, um acompanhamento bem próximo, que envolve apenas exames e avaliações clínicas periódicas. De qualquer modo, quando não dá para abrir mão de combater o tumor imediatamente, diversas possibilidades terapêuticas podem ser consideradas, sempre de modo individual, o que inclui cirurgia, radioterapia, hormonioterapia e quimioterapia, cada qual com diferentes modalidades.  A escolha da melhor abordagem varia conforme o estágio do tumor (veja tabela), a idade e as condições de saúde do paciente, por exemplo, se ele tem outras doenças, as chances de cura e, claro, as expectativas em relação aos efeitos adversos de cada terapia. Até porque todas as opções podem causar algum impacto no trato urinário e na vida sexual do homem. Apesar disso, sempre vale assinalar que, nesse contexto, a terapia de reabilitação progrediu bastante nos últimos anos e, se não pode restabelecer as funções temporariamente prejudicadas na íntegra, chega muito perto disso. Os tratamentos  Também chamada de prostatectomia radical, a cirurgia está indicada para cânceres localizados, restritos à glândula. Pode ser feita de modo convencional ou por videolaparoscopia, com mínimas incisões pélvicas, ou, ainda, por via robótica, neste caso permitindo maior precisão, melhor visualização do local da intervenção e menos sangramento no período pós-operatório. Outra possibilidade é a remoção cirúrgica da próstata via uretra, específica para pacientes que estão com sintomas urinários muito intensos, a fim de aliviá-los, mas com a desvantagem de não remover todo o câncer.  Ainda dentro do campo dos procedimentos, vale destacar a termoablação, um tipo de ultrassom de alta intensidade que promove o aquecimento e a destruição das células malignas da glândula. Com a ajuda de exames de imagem, a tecnologia consegue focar apenas as células doentes e manter intactas as sadias, reduzindo, assim, os efeitos colaterais. Já a radioterapia, igualmente indicada para tumores confinados à próstata, pode ser efetuada de forma externa ou interna. A primeira, tradicional, corresponde à emissão de doses de radiação ionizante sobre o local afetado. Hoje as técnicas melhoraram muito, com menor prejuízo das áreas vizinhas. A interna, por sua vez, consiste na colocação de sementes radioativas milimétricas no interior da glândula, as quais fazem o mesmo papel da técnica externa, porém com efeitos reduzidos. Contudo, a braquiterapia, como é chamada, só serve para lesões menores. Testosterona em foco Para cânceres de maior agressividade, quando o tumor migrou para regiões e linfonodos próximos ou, então, para outros órgãos e ossos, a hormonioterapia costuma ser a primeira opção ou, então, entrar no esquema terapêutico como adjuvante, ou seja, depois da cirurgia – quando esta puder ser realizada – ou antes ou após a radioterapia.  Em quaisquer dos casos, o tratamento visa a tirar de cena a testosterona, hormônio masculino que estimula o crescimento do câncer de próstata. Isso pode ser obtido com uma cirurgia para remoção do tecido central dos testículos, nos quais a testosterona é produzida, ou com injeções de medicamentos que reduzem a produção hormonal. Em geral, os pacientes costumam preferir as injeções, cujos efeitos, especialmente sobre a libido e a saúde óssea, são temporários. Essa estratégia, contudo, não elimina toda a testosterona do organismo, já que as glândulas adrenais, que ficam sobre os rins, também sintetizam andrógenos. Assim, podem ainda ser necessários antiandrogênicos, fármacos que impedem o organismo de usar o que eventualmente haja de hormônio masculino no corpo. Nos últimos anos, novas drogas foram desenvolvidas com essa finalidade, uma vez que existem casos de cânceres resistentes ao bloqueio de testosterona tradicional. Há, por exemplo, medicamentos que impedem a ligação da testosterona com o receptor do andrógeno dentro da célula maligna.  Em geral, só se recorre à quimioterapia no câncer de próstata quando a resposta às opções anteriores não foi satisfatória. Apesar disso, existem estudos que demonstram que, em homens com pior prognóstico, os agentes quimioterápicos, usados em conjunto com a hormonioterapia, conferem ao paciente um ganho adicional em sobrevida e também em qualidade de vida, à medida que reduzem o tamanho do tumor e os sintomas. Embora todo mundo queira ser curado, a busca desse equilíbrio entre benefícios versus efeitos do tratamento não pode ser perdida de vista. Por isso, converse abertamente com seu oncologista.   Estágios do câncer de próstata A análise dos fragmentos coletados na biópsia faz o diagnóstico de câncer e ainda revela o tipo de célula envolvida, bem como a gravidade e a extensão da doença. Com esses dados, além de outros exames de imagem para a pesquisa de lesões em outros órgãos e de testes que informam as características biológicas do tumor, o médico determina seu estágio: Estágio I Lesão encontrada ao acaso ou por conta do aumento dos níveis do antígeno prostático específico (PSA); restrita à glândula Estágio II (A ou B) Nódulo em um só lado (IIA) ou em ambos os lados (IIB) da glândula, mas ainda confinado à próstata  Estágio III (A, B ou C) Nódulo que envolve próstata mais vesícula seminal (IIIA), reto (IIIB) ou bexiga (IIIC) Estágio IV (A ou B) Lesão disseminada para linfonodos regionais (IVA) ou para outros órgãos e para os ossos (IVB)

Outubro Rosa
Novembro Azul
09/11/2020

Quando o câncer de próstata pode ser apenas vigiado

Muitas vezes, o diagnóstico de câncer de próstata vem acompanhado de uma notícia, de certa forma, acalentadora quando a princípio não há necessidade de tratamento. É o que os especialistas chamam de vigilância ativa ou, ainda, de conduta expectante. Estudos internacionais dão conta de que cerca de 30% a 40% dos tumores prostáticos recebem essa abordagem no mundo, o que, veja bem, não significa não fazer nada. Esses pacientes são acompanhados muito de perto por seus médicos, com exame clínico da próstata por toque retal e testes laboratoriais, incluindo a dosagem de antígeno prostático específico – o PSA, aquele marcador de alterações na glândula – a cada três ou seis meses ou conforme definição personalizada, a fim de verificar se tudo permanece estável, além de biópsia e ressonância magnética também periódicas.  Com esse verdadeiro cerco ao tumor, qualquer mínima alteração pode ser flagrada e, assim, eventualmente implicar a mudança de conduta do oncologista ou do urologista que está à frente do seguimento. Dessa maneira, o paciente, sobretudo aquele homem com menos de 75 anos, em bom estado de saúde, é poupado das disfunções urinárias e sexuais que o tratamento acarreta por tempo variável.  Segundo os especialistas, pelo menos metade dos indivíduos que se enquadram nessa estratégia pode ficar em acompanhamento por aproximadamente 15 anos sem que surja alguma alteração que realmente justifique a instituição de uma terapia anticâncer ou cirurgia.  Ademais, quando levamos em conta que o tumor de próstata é uma doença que pode se desenvolver de modo mais lento, isso pode significar que parte dos indivíduos em vigilância ativa, especialmente os mais velhos, tem possibilidade de passar o resto da vida sem necessitar de intervenções terapêuticas por causa da doença – desde que, é claro, a lesão continue sem incomodar, assintomática.  Critérios bem definidos Contudo, existem critérios rigorosos para recomendar essa estratégia aos pacientes. Em primeiro lugar, o câncer deve ter lento desenvolvimento, ou seja, exibir um tecido muito próximo ao das células normais da glândula ao exame microscópico, além de apresentar tamanho pequeno e estar confinado à glândula. Já o valor do PSA no sangue precisa se encontrar abaixo de 10 ng/mL. E, claro, o paciente deve concordar em ser acompanhado dessa forma.  Muito embora já tenha sido demonstrado que tal conduta é segura, ou seja, não reduz as chances de cura nos homens com tumor que cresce no meio da vigilância, em comparação àqueles que preferiram tratar o câncer logo ao diagnóstico, alguns pacientes não toleram viver na ansiedade de repetir os testes e de temer os resultados ano após ano – o que é perfeitamente compreensível. Estes preferem se submeter ao tratamento, que costuma envolver cirurgia e radioterapia nos estágios iniciais do tumor. Atualmente, tem se recorrido a métodos cada vez mais modernos para amparar essa decisão com uma segurança ainda maior. Tais exames, aos quais o acesso ainda é limitado devido a seu alto custo, analisam um conjunto de genes relacionados com a organização e a proliferação celular e com a expressão de andrógenos, calculando, a partir disso, um escore para pontuar a agressivamente do tumor. Quanto mais baixa a pontuação, mais segura a indicação da vigilância ativa. De qualquer modo, mais importante do que qualquer recurso laboratorial é manter uma relação de confiança com o médico, que permita francas conversas sobre riscos e benefícios das diferentes condutas e, acima de tudo, possibilite que o paciente se sinta confortável – e seguro – com cada decisão.

Outubro Rosa
Novembro Azul
09/11/2020

Como fica a função sexual após o tratamento do câncer de próstata?

Um dos grandes receios do homem que se submete ao tratamento do câncer de próstata, especialmente à cirurgia, é a perda da função sexual, também chamada de disfunção erétil, acompanhada ou não da incontinência urinária, que consiste na perda involuntária de urina, dois efeitos comuns, mas reversíveis, do pós-operatório. De acordo com os especialistas, hoje as técnicas cirúrgicas evoluíram bastante e permitem maior ampliação visual, liberdade de movimentos e precisão. Sobretudo a cirurgia robótica e a videolaparoscopia possibilitam ao cirurgião isolar os feixes de vasos sanguíneos e de nervos cavernosos e, assim, preservar ao máximo tanto o esfíncter da uretra, que controla as micções, quanto a capacidade de o homem ter ereção. Mesmo com os avanços, porém, pelo menos metade dos homens que passam pela prostatectomia costuma ter necessidade de um período variável de reabilitação para a retomada das funções temporariamente perdidas. Para recuperar plenamente a continência da urina, em geral se estimam de três a seis meses de fisioterapia e exercícios apropriados, que envolvem o períneo, estrutura que envolve a genitália e o ânus. Essa estratégia usualmente basta, mas, nos casos mais resistentes, é possível implantar um esfíncter artificial. Já o retorno das ereções depende de outros fatores, incluindo doenças preexistentes – diabetes, colesterol elevado e tabagismo, por exemplo – e fatores psicológicos. De qualquer modo, há um protocolo para reabilitar a função sexual, o qual começa com medicamentos orais para facilitar a entrada de sangue no pênis, uma espécie de fisioterapia medicamentosa, a fim de manter a oxigenação do pênis. Só com os fármacos, não raro a função sexual volta ao normal e, dessa forma, há homens que já conseguem retomar a vida depois do procedimento, desde que não aconteça nenhuma intercorrência, evidentemente. A única diferença é que, como não tem mais a próstata, o homem terá um orgasmo seco, sem líquido seminal. A mudança pode até ser incômoda no início, mas o único efeito prático disso é mesmo a infertilidade, sem impacto na sensação de prazer. Seguindo o protocolo, se os fármacos orais não derem certo, a próxima opção é a terapia com injeção de drogas vasodilatadoras, que o próprio homem pode aplicar no pênis logo antes do ato sexual. Caso isso ainda não dê certo, pode-se recorrer ainda a uma prótese peniana, o que, contudo, configura uma alternativa definitiva, não permitindo reversão. Vale salientar que as opções para a reabilitação da função sexual também envolvem a dinâmica do casal. Assim, a participação da companheira nesse momento do pós-tratamento deve ser considerada e encorajada.  Efeitos de outros tratamentos A radioterapia também pode afetar as ereções justamente porque a radiação emitida sobre a próstata pode causar lesões nos vasos que levam sangue até o pênis. Estima-se que um quarto dos homens que realizam essa modalidade de tratamento para combater o tumor prostático sinta diferença nas ereções e/ou tenha dificuldade para mantê-las. Contudo, os mesmos medicamentos usados no pós-operatório de prostatectomia podem ser tentados nos casos mais difíceis e, se não forem efetivos, seguidos de outras modalidades terapêuticas. Já a hormonioterapia mexe com a função sexual por bloquear a ação da testosterona no organismo. Sem o hormônio masculino em circulação, há perda de libido e consequente disfunção erétil. Nessa situação, no entanto, o efeito negativo sobre a atividade sexual pode cessar assim que a medicação for suspensa.

Outubro Rosa
Novembro Azul
06/11/2020

Como deve ser o cerco ao câncer de próstata

Se, nas mulheres, as mamas e o colo do útero estão entre os principais alvos do câncer, nos homens, a próstata ocupa lugar semelhante. O tumor nessa glândula exclusiva do sexo masculino é o segundo tipo de câncer mais comum entre os brasileiros, atrás apenas do de pele não melanoma. De acordo com a estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca), até o fim do ano deverá haver mais de 65,8 mil novos casos no País. No mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde/Organização Pan-Americana de Saúde, a estimativa para 2040 bate na casa de 1,3 milhão de casos. Boa parte da alta incidência do tumor se explica pelo fato de se tratar de um problema vinculado à maturidade. Cerca de 75% de todos os pacientes com a doença em todo o mundo já passaram dos 65 anos de idade. Portanto, quanto mais avançada a expectativa de vida no planeta – o que está acontecendo em todos os continentes, vale assinalar –, mais se espera que o número de diagnósticos aumente. A idade, porém, não é o único fator de risco para o câncer de próstata, o excesso de peso também favorece seu surgimento. Por sua vez, a herança genética configura um aspecto contundente no desenvolvimento da doença, especialmente diante de história familiar de pai, irmão e avô com o tumor, mas responde por menos de 10% de todos os casos. Por fim, esse câncer também é mais frequente em afrodescendentes – o risco aumenta em duas a três vezes em relação ao de outras etnias. Atitudes preventivas, portanto, devem focar em alimentação equilibrada, prática regular de atividade física e hábitos de vida saudáveis. Os demais fatores que ampliam a possibilidade de aparecimento de lesões malignas na próstata infelizmente não têm como ser modificados. Diagnósticos tardios O Brasil ainda registra mais de 15,5 mil mortes anuais por câncer prostático, o que o torna um problema de saúde pública, mas não porque a doença seja extremamente agressiva. Em geral, o tumor leva cerca de 15 anos para alcançar 1 cm3 , segundo o Inca, e pode nem chegar a atrapalhar a vida do homem se for bem acompanhado. Mas a verdade é que os diagnósticos continuam sendo tardios. Um estudo da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) mostrou que 30% dos pacientes da rede pública e 20% dos provenientes da rede de saúde suplementar já estavam com câncer avançado no momento de sua descoberta. A ligeira diferença pode acusar falta de amplo acesso à assistência médica nos serviços públicos, de fato, mas, por outro lado, parece confirmar o que já se sabe – o homem vai menos ao consultório preventivamente. Para completar, o tumor de próstata cursa de forma silenciosa no início. Os sintomas, caracterizados por alterações urinárias e dores ósseas, podem não aparecer ou só incomodar num momento em que a lesão já está num estágio mais grave, quando requer tratamentos mais extensos. Rastreamento, eis a questão Apesar disso, ao contrário do que ocorre na abordagem do câncer de mama, em que há um exame que reconhecidamente reduz a taxa de mortalidade pela doença – a mamografia –, no câncer de próstata não se preconiza o mesmo tipo de rastreamento universal. Estudos feitos com milhares de homens na Europa e nos Estados Unidos no início desta década concluíram que a realização indiscriminada de testes laboratoriais e de imagem não impacta o número de mortes causadas pela doença. Essa estratégia tem sido questionada por trabalhos posteriores, mas ainda se mantém. Na dúvida, a SBU recomenda que, por volta dos 50 anos, todos os homens procurem um urologista para uma avaliação individual, decidindo com o médico a necessidade, os riscos e os benefícios da pesquisa de lesões na próstata. Em geral, o rastreamento inclui o toque retal e dosagem de PSA no sangue.  Dependendo dos achados, a investigação pode prosseguir com a ultrassonografia e outros exames de imagem, assim como a biópsia de próstata. Homens com algum fator de risco, incluindo obesidade, afrodescendência e história de parentes que tiveram tumor prostático antes dos 60 anos, devem marcar consulta com o especialista mais cedo, já a partir de 45 anos.  Não custa lembrar que, em caso de sintomas – que até podem ser de outras condições –, é imperativo esclarecer imediatamente o quadro com um urologista ou com um médico de sua confiança.