DaVita Saúde

Como a pandemia alterou o cenário de transplantes de órgãos

A pandemia de Covid-19 tem alterado muitos cenários e não foi diferente no contexto dos transplantes de órgãos e tecidos em território brasileiro. Segundo dados do Sistema de Informações Hospitalares do Ministério da Saúde, esses procedimentos sofreram uma queda de 22% no Brasil, por causa das dificuldades impostas pelo novo coronavírus. De janeiro a dezembro de 2020, o Brasil registrou 62,9 mil transplantes realizados pelo Sistema Único de Saúde ante 81,4 mil feitos no ano anterior. O desempenho de 2020 foi o menor em oito anos.

Os especialistas atribuem essa diminuição a vários fatores, com destaque para o grande número de óbitos por Covid-19, que, sendo uma doença infectocontagiosa, com reflexos para vários órgãos e sistemas do corpo, inviabiliza as doações – a não ser que o potencial doador já esteja livre do vírus há, pelo menos, quatro semanas (veja boxe). Milhares de órgãos, portanto, acabaram descartados no ano passado por conta da infecção pelo vírus.

A pandemia elevou o número de recusas por parte dos familiares – que são responsáveis pela autorização das doações – para que seus entes pudessem ser sepultados rapidamente, e também interferiu na logística de transporte de órgãos entre municípios e Estados, fez cair a busca ativa por órgãos para resguardar a saúde dos profissionais que atuam nesse processo e até adiou os planos de transplantes entre médicos e pacientes – o número de novos cadastros caiu quase 30% no primeiro semestre, em relação ao mesmo período de 2019.

Para completar, com a grande dedicação dos leitos de tratamento intensivo para atendimento aos pacientes com Covid-19, não apenas houve menos espaço para receber vítimas de traumas com morte cerebral, que representam a maioria dos doadores e precisam de respiradores para que os órgãos permaneçam viáveis, como também para acomodar com segurança os transplantados, que, por receberem imunossupressores após o procedimento, ficam mais vulneráveis a infecções.

Com isso, a fila de pessoas à espera de órgãos se moveu devagar no Brasil, especialmente no primeiro semestre de 2020. Entre abril e junho, houve uma queda de 61% no número de transplantes em relação aos feitos no primeiro trimestre do ano, o que resultou num aumento de 44,5% nas mortes dos pacientes que estavam na fila, também em comparação com os registros dos três primeiros meses de 2020. O segundo semestre apresentou melhora, mas o fato é que o Brasil chegou a novembro com mais de 41 mil pessoas esperando um procedimento.

Com o novo crescimento da pandemia, é de se imaginar que as atuais condições sanitárias irão favorecer muito pouco os transplantes em 2021. Assim, precisamos falar sobre o assunto para que, pelo menos no que depender de cada cidadão comum, os procedimentos não sejam dificultados quanto à autorização da doação – que, afinal, já configura meio caminho andado.

Nossa legislação considera que não há necessidade de um documento para declarar que uma pessoa é doadora. Basta que ela tenha sinalizado esse desejo em vida para a família. Assim, é importante que o tema seja discutido em casa, com naturalidade. Apesar da enorme dor que a morte de um ente querido representa, saber que a situação permitirá que outras pessoas vivam – e um doador de órgãos salva até dez indivíduos – pode ser um consolo imenso.

Vamos falar sobre transplantes

Em que momento se determina que uma pessoa não tem mais chance de viver e pode ser doadora de órgãos?

Quando ela recebe o diagnóstico de morte encefálica, ou cerebral, uma situação irreversível, bem diferente do coma, que pode ser revertido, e que é confirmada por critérios objetivos, os quais envolvem a ausência de movimentos respiratórios e a falta de fluxo sanguíneo no cérebro.

Em que casos não é possível doar órgãos?

A pessoa não pode doar órgãos se tiver sido portadora de doenças infecciosas agudas graves, bem como de câncer, de insuficiência múltipla de órgãos e de doenças infectocontagiosas, a exemplo de HIV/aids, hepatite B e C, toxoplasmose, sífilis, doença de Chagas e citomegalovirose, além de Covid-19 não curada.

Que órgãos e tecidos podem ser doados?

Rins, fígado, coração ou válvulas cardíacas, pâncreas, pulmões, intestino, córneas, ossos, medula óssea e pele podem ser doados, evidentemente dependendo da compatibilidade entre doador e receptor.

Como é o procedimento de retirada dos órgãos?

A remoção ocorre como qualquer outra intervenção, sempre em centro cirúrgico, com todos os cuidados necessários de assepsia. Após o término do procedimento, o corpo é reconstituído, ficando sem deformidades, como estava antes da cirurgia. Pode, portanto, ser velado e sepultado sem nenhum impedimento.

Há possibilidade de ser doador em vida?

O doador vivo pode doar um dos rins, assim como parte da medula óssea, do fígado ou do pulmão. Precisa ser maior de idade e estar em boas condições de saúde para que o procedimento não o prejudique, além de ter parentesco de até quarto grau com o receptor – para não aparentados, há necessidade de autorização judicial para o transplante. Evidentemente, também nesse caso doador e receptor devem ser compatíveis.

Dá para saber a quem o órgão de um falecido vai ser doado?

Devido a questões éticas, mantém-se o anonimato dos protagonistas do processo. Existe um filme sobre o assunto, 21 gramas, do diretor mexicano Alejandro González Iñarritu, que toca justamente nesse ponto delicado ao abordar a relação entre um transplantado cardíaco e a esposa do doador, morto em um acidente. Vale conferir.

Morte por Covid-19 e doação de órgãos

A morte recente do senador Major Olímpio por Covid-19, aos 58 anos, levantou publicamente essa questão, já que a família expressou, nas redes sociais, que era desejo dele doar seus órgãos ao falecer. Contudo, o Ministério da Saúde, em nota divulgada no ano passado, afirma que há contraindicação absoluta para doar órgãos e tecidos nos casos de pessoas que morreram com a infecção ativa pelo Sars-CoV-2, com teste positivo para o vírus, ou, então, com síndrome respiratória aguda grave sem etiologia definida nem teste laboratorial comprobatório. Já para indivíduos que tiveram Covid-19, mas que já estavam recuperados ao falecer, o Ministério da Saúde diz que existe uma contraindicação relativa, o que significa que a equipe de transplante deve validar o processo para a liberação do órgão de acordo com a urgência do receptor. Nessa situação, é necessário que haja um intervalo de, pelo menos, 28 dias entre a resolução da infecção e o óbito.

Siga nossas redes sociais